Clique e assine com até 92% de desconto

Cientistas lançam aliança global para transformação sustentável do planeta

Future Earth reunirá milhares de cientistas ao redor do mundo em equipes interdisciplinares para entender riscos e oportunidades do desenvolvimento sustentável

Por Marco Túlio Pires, do Rio de Janeiro Atualizado em 6 Maio 2016, 16h33 - Publicado em 14 jun 2012, 18h40

Enquanto falta consenso entre os políticos sobre como transformar o mundo em um lugar mais sustentável, milhares de cientistas do mundo todo se aliaram para entender como a humanidade fará a transição para uma economia sustentável. O Conselho Internacional de Ciência (ICSU, na sigla em inglês) lança nesta quinta-feira o Future Earth.

A iniciativa internacional reunirá 30 anos de pesquisas sobre o ambiente e suas transformações em um programa coordenado entre cientistas, financiadores e órgãos da ONU ao longo de uma década. A ideia é concentrar pesquisas e dar boas sugestões a políticos e formadores de opinião sobre os riscos e oportunidades da transição sustentável. A iniciativa foi anunciada oficialmente durante o Fórum de Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Sustentável, no Rio de Janeiro. O evento produzirá um documento com sugestões dos cientistas para a reunião de cúpula da Rio +20, que ocorre entre os dias 20 e 22 de junho, também no Rio de Janeiro.

“Precisamos de uma nova abordagem para endereçar os desafios do desenvolvimento sustentável que seja mais internacional, colaborativa e interdisciplinar”, disse Diana Liverman, uma das coordenadoras do programa. O Future Earth vai reunir cientistas de diferentes áreas – como físicos, biólogos, sociólogos, engenheiros e economistas – com financiadores e tomadores de decisões para alinhar as pesquisas, entender e antecipar a mudança do ambiente e dar soluções para os problemas.

Ordem na casa – Um dos maiores obstáculos apontados pelos cientistas é a falta de coordenação entre as várias pesquisas que tentam entender o planeta. Os bancos de dados são desorganizados e não possuem padrão, o que dificulta um entendimento em escala global de como a transição para um mundo sustentável afetará a vida na Terra. No Future Earth, cientistas de diversas áreas trabalharão em equipes para produzir conhecimento.

“É uma forma de a ciência assumir responsabilidade na transição para a sustentabilidade”, disse Johan Rockström, um dos coordenadores da equipe que está preparando o Future Earth. De acordo com Rockström, o programa será organizado ao longo de 2012 e funcionará a partir de 2013. “Temos esse ano 2012 para entregar um plano de 10 anos”, disse. “O programa será distribuído em centros de excelência ao redor do mundo com um plano de financiamento e de comunicação.”

Entenda a economia verde:

Escala global – O novo programa deverá responder questões fundamentais sobre a mudança do planeta. Por exemplo, como e por que o ambiente está passando sofrendo alterações? Quais serão as mudanças futuras e qual a implicação para o bem estar dos seres humanos e outras espécies? As respostas vão apoiar as decisões para a transição do mundo para práticas mais sustentáveis.

Continua após a publicidade

“O Future Earth vai dar uma escala global para a colaboração de pesquisas para informar soluções e transformações para a sustentabilidade”, disse Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor-científico da Fapesp (Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de São Paulo). “O sucesso do programa será o financiamento transnacional para apoiar os projetos de pesquisa. Por exemplo, as agências de fomento já estabeleceram chamadas em conjunto para reunir parcerias internacionais de cientistas sociais e naturais para trabalhar em temas específicos, como a segurança da água potável e a vulnerabilidade das linhas costeiras.”

O Future Earth será patrocinado por uma aliança que inclui o ICSU, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Unep), a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) e a Organização Meteorológica Mundial (WMO, na sigla em inglês).

LEIA TAMBÉM:

Economia verde pode tirar 1,3 bilhão de pessoas da pobreza

Continua após a publicidade
Publicidade