Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cientistas encontram embriões mais antigos de dinossauros

Fósseis achados na China têm mais de 190 milhões de anos e preservam material orgânico em seu interior

Um grupo de pesquisadores encontrou, na província de Yunnan, na China, ossos de embriões de dinossauros com mais de 190 milhões de anos – são os vestígios mais antigos de embriões desses animais já encontrados. Foram desencavados mais de 200 ossos, pertencendo a 20 indivíduos em estados diferentes de desenvolvimento, o que possibilitou aos pesquisadores estudarem, de modo inédito, o crescimento dos dinossauros ainda dentro dos ovos. A pesquisa foi publicada nesta quarta-feira na revista Nature.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Embryology of Early Jurassic dinosaur from China with evidence of preserved organic remains

Onde foi divulgada: periódico Nature

Quem fez: Robert R. Reisz, Timothy D. Huang, Eric M. Roberts, ShinRung Peng, Corwin Sullivan, Koen Stein, Aaron R. H. LeBlanc

Instituição: Universidade de Toronto, no Canadá

Dados de amostragem: Mais de 200 ossos pertencentes a embriões de dinossauros, encontrados na província de Yunnan, na China

Resultado: Os pesquisadores descobriram que eles pertenceram a cerca de 20 indivíduos em estágios diferentes de desenvolvimento, o que permitiu que estudassem como os dinossauros se desenvolviam ainda dentro do ovo

Os ossos descritos no estudo pertenciam a embriões do Lufengosaurus, um dinossauro muito comum na região no começo do Período Jurássico. De pescoço longo, ele chegava a medir oito metros quando adulto. Os fósseis encontrados pelos pesquisadores são extremamente raros. Em primeiro lugar, por causa de sua idade: a maioria dos outros vestígios de embriões de dinossauros pertencem ao Período Cretáceo, dezenas de milhões de anos depois dos Lufengosaurus terem habitado a Terra.

Sua importância também pode ser explicada pela alta quantidade de indivíduos da mesma espécie encontrados. Normalmente, os pesquisadores descobrem ninhos de dinossauros com apenas um ovo. Dessa vez, eles pensam ter encontrado em um mesmo local vários ninhos diferentes, com embriões em estágios distintos de seu crescimento. Assim, os cientistas puderam estudar os padrões de desenvolvimento do animal. “Estamos abrindo uma nova janela para a vida dos dinossauros. Essa é a primeira vez em que somos capazes de rastrear o crescimento de dinossauros no estágio embrionário, enquanto eles se desenvolviam”, diz Robert Reisz, pesquisador da Universidade de Toronto responsável pelo estudo.

Os pesquisadores focaram suas análises no maior osso do embrião: o fêmur. Segundo o estudo, esses ossos mostraram uma rápida taxa de crescimento, dobrando de tamanho – de 12 para a 24 milímetros – ainda dentro do ovo. Essa velocidade pode indicar que os dinossauros saurópodes, como o Lufengosaurus, passavam por um curto período de incubação.

Embrião de dinossauro de cerca de 190 milhões de anos, preservado em sedimentos que foram encontrados na província de Yunnan, na China

Embrião de dinossauro de cerca de 190 milhões de anos, preservado em sedimentos que foram encontrados na província de Yunnan, na China (/)

A análise também mostrou que os fêmures dos animais passavam por mudanças em seu formato enquanto os embriões se desenvolviam. Exames da anatomia e da estrutura interna do osso mostraram que o movimento dos músculos tinha um papel importante nessa alteração de formato. “Isso sugere que os dinossauros, assim como as aves modernas, se moviam dentro dos ovos. É a primeira evidência desse tipo de movimento nos dinossauros”, disse Reisz.

Proteínas antigas – Os paleontólogos também descobriram evidências de material orgânico dentro dos ossos. Ao fazer análises químicas dos fósseis, eles encontraram restos de fibra de colágeno, uma proteína normalmente encontrada em esqueletos. “Os ossos de animais antigos são transformados em rocha durante o processo de fossilização. Ter encontrado restos de proteínas nesses embriões é realmente incrível, especialmente porque os espécimes são mais de 100 milhões de anos mais antigos do que outros fósseis que contenham material orgânico semelhante”, diz Reisz.

Leia também:

Uma nova cara para os dinossauros

Descoberto, na China, dinossauro semelhante a pássaro

Até agora, apenas um metro quadrado do sítio paleontológico em Yunnan foi escavado, mas a área já revelou, além dos ossos, pedaços de cascas de ovo – as mais antigas já encontradas de qualquer vertebrado terrestre.

Saiba mais

JURÁSSICO

Período da era Mesozoica compreendido entre 199 e 145 milhões de anos atrás.

CRETÁCEO

Última etapa da chamada “Era dos Dinossauros”, compreendida entre 145 e 65,5 milhões de anos atrás. Foi marcada, em seu final, pela extinção de todos os dinossauros não avianos.

DINOSSAUROS

Grupo de répteis gigantes que surgiu por volta de 225 milhões de anos atrás e viveu até cerca de 65 milhões de anos atrás, quando todos os dinossauros não avianos (ou seja, exceto as aves) foram extintos.

SAURÓPODES

Os saurópodes foram grandes dinossauros herbívoros e quadrúpedes que viveram há 150 milhões de anos. Eles tinham pescoço longo, cabeça e cérebros pequenos, dentes achatados e uma longa cauda. O grupo inclui os maiores animais terrestres que já existiram, como o Braquiossauro, o Diplodoco e o Brontossauro.