Clique e assine com até 92% de desconto

Cientistas descobrem substância que pode ajudar na regeneração capilar

Camundongos que receberam o tratamento apresentaram uma produção duas a três vezes maior de folículos capilares

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h19 - Publicado em 7 jun 2013, 09h46

Pesquisadores americanos descobriram um fator de crescimento (substância que estimula o crescimento celular) que pode ser a chave para tratamentos contra a calvície. Trata-se do fator de crescimento de fibroblastos 9 (fgf9), encontrado em uma quantidade limitada nas células da pele humanas, que participa da formação dos folículos capilares.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Fgf9 from dermal γδ T cells induces hair follicle neogenesis after wounding

Onde foi divulgada: periódico Nature Medicine

Quem fez: Denise Gay, Ohsang Kwon, Zhikun Zhang, Michelle Spata, Maksim V. Plikus, Phillip D. Holler, Mayumi Ito, Zaixin Yang, Elsa Treffeisen, Chang D. Kim, Arben Nace, Xiaohong Zhang, Sheena Baratono, Fen Wang, David M. Ornitz, Sarah E. Millar e George Cotsarelis

Instituição: Universidade da Pensilvânia, EUA e outras instituições

Resultado: O fator de crescimento de fibroblastos 9 (fgf9), produzido pelas células gama delta, é capaz de estimular a via Wnt, rede de proteínas ligada ao crescimento capilar. Nos camundongos, quando a quantidade de fgf9 foi reduzida, ocorreu uma queda na produção de folículos capilares em locais de cicatrização de feridas. Quando a quantidade de fgf9 aumentou, porém, essa produção aumentou de duas a três vezes.

Os autores se basearam em um estudo anterior, liderado por George Cotsarelis, que é também o principal autor da nova pesquisa. Publicado em 2007, o artigo mostrava que o aumento da expressão de uma via molecular denominada Wnt (rede de proteínas ligada ao crescimento capilar) era capaz de dobrar a quantidade de folículos produzidos em camundongos durante o processo de cicatrização de feridas. Já em humanos, cabelos e pelos não voltam a crescer em locais de cicatrização.

Continua após a publicidade

Isso acontece porque, quando um adulto se machuca, o crescimento dos folículos capilares é bloqueado e a pele cria uma cicatriz, enquanto nos camundongos a regeneração capilar ocorre naturalmente. Comparando os dois casos, os pesquisadores descobriram que os humanos apresentam uma quantidade menor de células gama delta (γδ, células do sistema imunológico) na pele do que os camundongos, o que explica a falta de regeneração dos folículos capilares.

No novo estudo, publicado neste domingo no periódico Nature Medicine, os pesquisadores descobriram que o fator de crescimento de fibroblastos 9 (fgf9), produzido pelas células gama delta, é capaz de estimular a via Wnt. Nos camundongos, quando a quantidade de fgf9 foi reduzida, ocorreu uma queda na produção de folículos capilares em locais de feridas. Quando a quantidade de fgf9 aumentou, porém, essa produção aumentou de duas a três vezes.

Os pesquisadores fizeram o teste também em cicatrizes que normalmente não apresentam regeneração de folículos em camundongos, e a presença do fgf9 desencadeou os eventos moleculares necessários para que essa regeneração ocorra. Para eles, é possível que esse fator de crescimento seja utilizado para tratar tanto processos de cicatrização quanto de perda capilar em humanos.

Leia também:

Descoberta pode ajudar a acabar com a calvície

Por que ainda existe gente careca?

Pouco cabelo e muito charme

“Preferia ter ficado careca”, diz ex-paciente que usava finasterida

Continua após a publicidade
Publicidade