Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Cientistas descobrem quarto exoplaneta potencialmente habitável

Astro é pelo menos 4,5 vezes maior do que a Terra, rochoso e está em uma região do espaço onde pode existir água em estado líquido

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h47 - Publicado em 2 fev 2012, 17h58

Uma equipe internacional de astrônomos anunciou nesta quinta-feira a descoberta de um novo exoplaneta – como são chamados os planetas fora do Sistema Solar – potencialmente habitável. É o quarto astro desse tipo a ser localizado pela comunidade científica.

O planeta foi identificado pelo código GJ 667Cc e orbita uma estrela batizada GJ 667C, que, por sua vez, faz parte de um sistema formado por três estrelas. Esses números e letras representam o “endereço” dos corpos celestes no espaço sideral. O exoplaneta recém-descoberto está a 22 anos-luz da Terra (cada ano-luz equivale a 9.460 bilhões de quilômetros).

“Este planeta reúne as melhores condições para manter água em estado líquido e é, portanto, o melhor candidato a abrigar vida tal qual nós a conhecemos”, explicou Guillem Anglada-Escudé, chefe da equipe que trabalhou na pesquisa pelo Carnegie Institution for Science, em Washington, nos Estados Unidos. O planeta se encontra na zona habitável de sua estrela, onde as temperaturas não são nem muito quentes nem muito frias, permitindo que a água permaneça em estado líquido. (continue lendo a reportagem)

Zona habitável

O GJ 667Cc orbita a sua estrela em 28 dias terrestres e tem uma massa no mínimo 4,5 vezes maior do que a da Terra, segundo o relatório publicado na revista The Astrophysical Journal Letters.

Os pesquisadores também descobriram indícios que levam a crer que pelo menos mais um e até três outros exoplanetas estão em órbita na mesma estrela, mas não na zona habitável.

A estrela que o exoplaneta orbita, a mais brilhante na ilustração acima, é menor que o nosso Sol e sua composição é mais pobre em “metais” – por “metal”, em cosmologia física, entende-se qualquer elemento químico diferente de hidrogênio e hélio. A descoberta, portanto, aumenta a variedade de possibilidades para a vida fora da Terra.

Os astrônomos utilizaram dados do Observatório Europeu do Sul (ESO), no Chile, e do Observatório Keck, no Havaí, para atestar a existência do exoplaneta.

(Com informações da Agência AFP)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)