Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Cientistas criam lentes que podem substituir Google Glass

Dispositivo transparente criado a partir de grafeno e microfios de prata foi testado em coelhos, sem apresentar efeitos colaterais

Por Da Redação
Atualizado em 6 Maio 2016, 16h19 - Publicado em 12 jun 2013, 09h35

O Google Glass é um óculos inteligente, capaz de se conectar à internet e mostrar ao usuário imagens que não existem no mundo real. Além de funcionar como um dispositivo de realidade aumentada, ele pode gravar e fotografar tudo à sua frente. A tecnologia deve chegar ao mercado em 2014. Pesquisadores sul-coreanos, no entanto, já começaram a desenvolver um dispositivo que pode deixar os óculos desenvolvidos pelo Google obsoletos, pois coloca todas as suas funcionalidades em um dispositivo muito mais discreto: uma lente de contato.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: High-Performance, Transparent, and Stretchable Electrodes Using Graphene-Metal Nanowire Hybrid Structures

Onde foi divulgada: periódico Nano Letters

Continua após a publicidade

Quem fez: Mi-Sun Lee, Kyongsoo Lee, So-Yun Kim, Heejoo Lee, Jihun Park, Kwang-Hyuk Choi, Han-Ki Kim, Dae-Gon Kim, Dae-Young Lee, SungWoo Nam e Jang-Ung Park

Instituição: Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Ulsam, na Coreia do Sul, e outras instituições

Resultado: Os pesquisadores criaram um material híbrido, feito a partir de grafeno e nanofios de prata, e o modelaram na forma de uma lente de contato. Em seguida, eles colocaram um pequeno dispositivo LED em seu interior, e testaram a tecnologia em um coelho vivo. Depois de cinco horas de experimento, o animal não apresentou nenhum efeito colateral.

Continua após a publicidade

Os cientistas construíram um eletrodo fino, transparente e flexível, feito a partir de grafeno e nanofios de prata, e o modelaram na forma de uma lente. Em seu interior, colocaram uma pequena luz LED e testaram a tecnologia em um coelho. Durante as cinco horas que duraram o experimento, nenhum efeito colateral foi detectado. Segundo os pesquisadores, isso demonstra que o uso de lentes de contato que tiram fotos e gravam o ambiente está deixando de ser ficção científica. A pesquisa foi publicada na revista Nano Letters.

Os eletrodos transparentes não são uma novidade, e têm sido usados em muitos utensílios, como aparelhos de TV de tela plana, células solares e luzes LED. O material do qual é feita a maior parte desses eletrodos – o óxido de índio-estanho -, no entanto, é frágil e quebra muito facilmente, não podendo ser flexionado.

O time de pesquisadores do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Ulsam, na Coreia do Sul, desenvolveu um material híbrido, feito a partir de grafeno e de nanofios de prata, que foi capaz de produzir eletrodos flexíveis, transparentes e elásticos, com alta performance elétrica e ótica. Mesmo quando dobrado, o material apresenta pouca variação em sua condutibilidade elétrica.

Continua após a publicidade

Nano Letters/ Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Ulsam

coelho ()

A lente de contato foi testada em um coelho vivo, que não sofreu com nenhum tipo de efeito colateral

Continua após a publicidade

Em seguida, eles demonstraram que um pequeno LED cabia em lentes de contato feitas com o material. Para testar a segurança da nova tecnologia, as lentes foram aplicadas nos olhos de um coelho vivo durante cinco horas. Ao final do experimento, o animal não apresentava nenhum comportamento anormal, como olhos irritados ou sangramentos.

A estrutura híbrida criada pelos pesquisadores ainda está em seus primeiros passos de desenvolvimento, mas já apresenta uma grande variedade de aplicações. Além do seu uso em lentes de contato inteligentes, os cientistas dizem que ela pode ser usada para criar novas telas flexíveis e células solares.

Leia também:

Em vídeo, brasileiro apresenta Google Glass direto dos EUA

Três paródias sobre o uso cotidiano do Google Glass

Saiba mais

GRAFENO

É um material formado por uma folha de átomos de carbono. O grafeno, por ser o melhor condutor de energia encontrado até o momento, garantiu o Nobel 2010 a seus criadores. Além de painéis solares, esse material pode ser usado na produção de telas táteis e painéis luminosos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.