Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cientista acredita ter achado a ave mais antiga do mundo

Criatura, batizada 'Aurornis xui', viveu há 160 milhões de anos, segundo estudo

Uma descoberta publicada na revista Nature pode mudar a ideia atual sobre a ancestralidade das aves. O paleontólogo Pascal Godefroit, do Instituto Real Belga de Ciências Naturais, em Bruxelas, identificou um esqueleto que, segundo sua controversa tese, corresponde à ave mais antiga do mundo. De acordo com ele, a criatura, batizada de Aurornis xui, viveu durante o período Jurássico, há aproximadamente 160 milhões de anos.

O fóssil em questão foi desenterrado por um fazendeiro da província de Liaoning, localizada no nordeste da China, e fazia parte da coleção do museu do Parque de Fósseis e Geologia de Yizhou. Lá, o esqueleto permanecia intacto e sem identificação, até que Godefroit o encontrou. Imagina-se que o Aurornis xui tenha sido um animal coberto por penas, com bico, cauda e duas longas pernas que o ajudavam a se locomover pelas florestas jurássicas. Da ponta de seu bico até o fim de sua cauda, deveria medir aproximadamente meio metro.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: A Jurassic avalian dinosaur from China resolves the early phylogenetic history of birds

Onde foi divulgada: periódico Nature

Quem fez: Pascal Godefroit, Andrea Cau, Hu Dong-Yu, François Escuillié, Wu Wenhao e Gareth Dyke

Instituição: Real Instituto Belga de Ciências Naturais e outras instituições

Dados de amostragem: fóssil encontrado na China

Resultado: De acordo com os pesquisadores, a descoberta do fóssil é um indício da existência das aves há 160 milhões de anos.

Segundo o paleontólogo, a criatura provavelmente não era capaz de voar, mas usava suas asas para planar de árvore em árvore – não é possível ter certeza disso, porém, já que suas penas não foram bem preservadas. Apesar disso, para Godefroit, diversas outras características, como os ossos do quadril do Aurornis xui, provam sua relação com os pássaros modernos.

Tese controversa – As aves surgiram como dinossauros que adquiriram a habilidade de voar. As mudanças morfológicas que tiveram de ocorrer para permitir essa habilidade fizeram com que a aparência dos pássaros se tornasse diferente da dos demais dinossauros – mas ambos os grupos mantiveram características em comum, como, por exemplo, as penas.

Por 150 anos, o Archaeopteryx, um dinossauro que habitou a região que hoje corresponde à Alemanha por volta de 150 milhões de anos atrás, foi considerado o ancestral mais antigo do grupo das aves e, portanto, o “elo evolutivo” entre os dinossauros e as aves. Em 2011, porém, após a descoberta de fósseis que se assemelhavam ao Archaeopteryx, mas apresentavam uma morfologia mais próxima da dos dinossauros não-avianos, o ancestral perdeu seu posto e passou a ser visto somente como um dinossauro com penas, e não uma ave.

Como o Archaeopteryx era capaz de planar, sua reclassificação fez com que os cientistas acreditassem que houve, na história, duas grandes evoluções adaptativas relacionadas ao voo: uma das aves, e outra dos dinossauros.

Agora, Pascal Godefroit e os demais membros de sua equipe de pesquisa defendem a ideia de que o Aurornis xui deve ser considerado a ave mais antiga do mundo. “Em minha opinião, trata-se de um pássaro”, afirma Godefroit. “Mas esse tipo de hipótese sempre é controversa. Nós estamos falando da origem de um grupo.”

A tese defendida pelo paleontólogo implica também no retorno do Archaeopteryx ao grupo das aves – embora não mais como ancestral. Além disso, a ideia também traz de volta a noção de que a habilidade de voar surgiu uma única vez, na evolução da linhagem dos dinossauros que deu origem às aves.

A teoria de Godefroit, porém, tem gerado controvérsias. O diretor do Instituto dos Dinossauros do Museu de História Nacional de Los Angeles, Luis Chiappe, discorda do paleontógo. Para ele, o Archaeopteryx é a criatura que merece o título de ancestral de aves. “O Aurornis é algo que está muito perto da origem dos pássaros, mas não é um pássaro”, disse, em entrevista à Nature. Apesar disso, Chiappe reconhece a importância do fóssil encontrado, dizendo que se trata de um espécime interessante.

As aves são dinossauros?

Embora o Tiranossauro, o Triceratops e todas as outras feras do período Mesozoico (de 251 a 65,5 milhões de anos atrás) estejam extintas, um grupo de dinossauros continua bem vivo atualmente. Os pássaros evoluíram a partir de um grupo de pequenos dinossauros terópodes cerca de 150 milhões de anos atrás (a teoria de Godefroit pode empurrar essa data para 10 milhões de anos antes). Tecnicamente falando, pássaros são dinossauros. As aves evoluíram e se diversificaram durante o Mesozoico. No final do período Cretáceo (período final do Mesozoico, entre 145 e 65,5 milhões de anos), quando todos os outros dinossauros (conhecidos como não-avianos) morreram, alguns pássaros sobreviveram à extinção e se tornaram os mais bem-sucedidos vertebrados voadores.

Fonte: Royal Ontario Museum