Clique e assine a partir de 9,90/mês

Castores migram para o Ártico — e prejudicam o planeta

Nova pesquisa revela que a migração desses animais para o Ártico culminou na liberação de gases danosos à atmosfera

Por Sabrina Brito - Atualizado em 2 jul 2020, 14h14 - Publicado em 2 jul 2020, 14h07

Não são só os seres humanos que são capazes de acelerar a mudança climática. De acordo com um estudo publicado no último dia 30 no periódico científico Environmental Research Letters, a migração de castores para o Ártico está contribuindo para a destruição do solo local.

Chamado de permafrost, esse tipo de solo, composto de terra, gelo e rochas congelados, armazena gases prejudiciais à atmosfera. Por causa da população de castores que chegou à região, contudo, o permafrost tem derretido, liberando no ar.

Segundo a pesquisa, o aumento das temperaturas pelo planeta — causada, principalmente, pela atividade humana — fez com que muitos castores precisassem migrar ao Ártico ao longo dos últimos 20 anos. Há algumas décadas, esse movimento não seria possível, já que o local era basicamente inóspito. Agora, com mais calor e vegetação, a região tornou-se habitável para certas espécies.

ASSINE VEJA

Wassef: ‘Fiz para proteger o presidente’ Leia nesta edição: entrevista exclusiva com o advogado que escondeu Fabrício Queiroz, a estabilização no número de mortes por Covid-19 no Brasil e os novos caminhos para a educação
Clique e Assine

Um dos mais notáveis hábitos dos castores é a construção de represas. Isso faz com que o ambiente torne-se mais úmido, atraindo peixes e outros animais, aumentando a movimentação na área. De acordo com o estudo, o número de represas em algumas porções do Ártico pulou de 2, em 2002, para 98 em 2019. Em outras partes, o aumento foi ainda maior: de 94, em 2010, para 409 em 2019.

Continua após a publicidade

O problema é que essas represas criam lagos, capazes de derreter o permafrost. Com isso, os gases aprisionados no solo são liberados, prejudicando a atmosfera.

Publicidade