Clique e assine a partir de 9,90/mês

Cassini fotografa a Terra vista entre os anéis de Saturno

Apesar de ser o quinto maior planeta do sistema solar, a Terra aparece como uma minúscula esfera azulada vista a 1,4 bilhão de quilômetros de distância

Por Da redação - Atualizado em 25 abr 2017, 10h42 - Publicado em 25 abr 2017, 10h38

Uma imagem tirada pela sonda Cassini mostra a Terra vista entre os anéis de Saturno, e o resultado, divulgado no último final de semana pela Nasa, impressiona. Nosso “grande” planeta azul, que é o quinto maior do sistema solar, aparece como uma pequena e brilhante esfera bem longe no espaço – mais precisamente, a 1,4 bilhão de quilômetros do ponto em que a foto foi tirada.

Ampliação da foto que mostra a Lua, ao lado esquerdo da Terra NASA/JPL-Caltech/Space Science Institute

O tamanho da Terra na imagem é tão reduzido que, quando a agência espacial americana fez a publicação, usuários do Twitter começaram a questionar a própria significância do planeta frente ao resto do universo. “Bilhões e bilhões de pessoas na Terra. Ver isso me faz sentir como se fôssemos tão pequenos e insignificantes”, escreve um. “Eu não consigo acreditar que tudo o que já aconteceu, amor, ódio e toda a história, foi nesse minúsculo grão de poeira”, compara outra usuária.

Se a foto for ampliada, ainda é possível enxergar um ponto quase imperceptível ao lado esquerdo do nosso planeta. Segundo a Nasa, essa é a Lua – que tem um diâmetro equivalente a pouco mais de um quarto do da Terra.

Missão Cassini

Lançada pela Nasa há quase 20 anos, a sonda espacial internacional Cassini orbita Saturno desde 2004. A partir de então, começou a enviar à Terra imagens e dados sobre o planeta, seus anéis e suas luas – levando, inclusive, à recente descoberta de hidrogênio molecular em Enceladus, uma das principais luas de Saturno, o que torna o local um dos mais favoráveis para vida fora da Terra.

Continua após a publicidade

Em 2017, a sonda se prepara para encerrar a missão, realizando um mergulho em direção ao interior do gigante gasoso. Dessa forma, ela vai enviar informações sobre a atmosfera do planeta até parar de funcionar e se desintegrar completamente, marcando o fim de uma jornada repleta de descobertas.

Publicidade