Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Calor recorde: clima entrou em ‘território desconhecido’, diz ONU

Segundo os cientistas, 2016 bateu todos os recordes históricos de temperatura e os primeiros meses de 2017 seguem a mesma tendência

Por Da redação Atualizado em 21 mar 2017, 18h26 - Publicado em 21 mar 2017, 14h16

Informe anual publicado nesta segunda-feira pela Organização das Nações Unidas (ONU) confirma que 2016 bateu todos os recordes de temperatura, 2017 mantém a mesma tendência e o clima mundial entrou em “território desconhecido”. Segundo os cientistas, os modelos criados nas últimas décadas para examinar o comportamento da atmosfera já não atendem aos eventos extremos pelo planeta.

“Estamos vendo mudanças profundas ao redor do planeta que estão desafiando os limites de nosso entendimento sobre o sistema climático. Estamos de fato em um território desconhecido”, alertou David Carlson, especialista da entidade.

  • Os dados iniciais deste ano já preocupam. Em menos de três meses, o Ártico registrou três ondas de calor, com poderosas tempestades vindas do Atlântico e trazendo umidade. Durante o auge do inverno no Polo Norte, alguns dias tiveram temperaturas próximas do degelo. Em certos lugares, como a costa da Rússia, Alasca e partes do Canadá, a temperatura média ficou 3°C acima da média registrada entre 1961 e 1990. Em Svalbard, região ártica da Noruega, os registros apontam para 6,5°C acima da média histórica.

    Em 2016, outros fatos já chamavam atenção. Em 24 de março, a camada de gelo no Polo Norte era de 14,5 milhões de quilômetros quadrados, a mais baixa desde que satélites começaram a medir o espaço em 1979. Em novembro, o gelo chegou até mesmo a diminuir. Na Antártida, a redução da camada de gelo também foi recorde.

    Segundo a ONU, as pesquisas indicam que as mudanças no Polo Norte e o degelo do Ártico estão levando a uma mudança nos padrões de circulação nos oceanos e na atmosfera. Isso afeta o clima em outras partes do mundo. “Novos estudos revelam que o aquecimento dos oceanos pode ter sido maior do que se previa”, apontou a Organização Meteorológica Mundial (OMM), braço da ONU. “Dados provisórios também indicam que não houve uma perda da taxa de aumento de concentração de CO2 na atmosfera”, disse.

    O resultado é que, em regiões do Canadá e dos Estados Unidos onde deveria fazer frio no início do ano, o clima foi ameno. Já no norte da África, o inverno foi mais intenso do que a média em 2017. Apenas nos EUA, 11,7 mil recordes de temperatura foram quebrados em fevereiro, mês de inverno no país.

    Continua após a publicidade

    Recorde histórico

    Para cientistas, 2016 “fez história, com temperatura global recorde, camada de gelo baixa, aumento do nível dos oceanos e temperatura da água”. A média do ano ficou 1,1°C acima da era pré-industrial e 0,06°C acima do recorde anterior, de 2015. “Esse aumento de temperatura é consistente com outras mudanças no sistema climático”, disse o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas. “Está cada vez mais clara a influência das atividades humanas no sistema climático.”

    Taalas afirma que instrumentos de informática cada vez mais poderosos têm permitido demonstrar as ligações entre as atividades humanas e certos eventos extremos, como ondas de calor. No Oriente Médio e no norte da África, novos recordes foram batidos, com 54°C em Mitribah (Kuwait), 53,9°C em Basra (Iraque) e 53°C em Delhoran, um recorde para o Irã.

    De 2000 a 2016, todos os anos foram pelo menos 0,4°C acima da média registrada entre 1961 e 1990. Mesmo o fenômeno do El Niño entre 2015 e 2016 foi mais intenso que suas últimas quatro aparições, em 1973, 1983 e 1998.

    Todos os dados de 2016 de fato apontam para um ano atípico. A cobertura de gelo pelo mundo caiu em mais de 4 milhões de quilômetros quadrados abaixo da média em novembro, uma anomalia considerada como “sem precedentes”.

    A temperatura elevada de oceanos contribuiu para uma mortalidade acima da média, com impacto em cadeias marinhas e ecossistemas. O impacto social também tem sido profundo. A seca em partes da África levou 20 milhões a depender de ajuda. Na Bacia Amazônica, o volume de chuvas é o menor desde que se tem registro, afetando também o Nordeste brasileiro. O nível dos oceanos está 20 centímetros acima das taxas do início do século XX e, com o El Niño, as águas aumentaram em 15 milímetros entre novembro de 2014 e fevereiro de 2016, quando um novo recorde foi registrado.

    (Com Estadão Conteúdo)

    Continua após a publicidade
    Publicidade