Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Bill Gates experimenta água obtida a partir de fezes humanas. E gosta

"Estava tão boa quanto qualquer uma engarrafada que eu já tomei", disse o criador da Microsoft

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h07 - Publicado em 8 jan 2015, 15h39

Para demonstrar a qualidade do equipamento em que investiu, Bill Gates, criador da Microsoft, tomou um copo de água obtida por meio de fezes humanas. “A água estava tão boa quanto qualquer uma engarrafada que eu já tomei. Estudei a engenharia por trás dessa máquina e beberia essa água tranquilamente todos os dias”, escreveu Gates em seu blog.

Os resíduos sólidos inseridos na máquina são fervidos e liberam água em forma de vapor, que é purificada para o consumo. Os sólidos restantes são incinerados e produzem um vapor que movimenta um motor, gerando energia elétrica. Com isso, a máquina é autossuficiente em termos de energia.

Leia também:

O mistério da água

O novo pensamento econômico sobre a água

“Doenças causadas por falta de saneamento matam 700 000 crianças todos os anos e impedem que muitas outras se desenvolvam plenamente”, escreveu Gates. A máquina, chamada Omniprocessor, foi desenvolvida pela empresa de engenharia americana Janicki Bioenergy. Gates conta em seu blog que a próxima geração desse processador será capaz de produzir 86 000 litros de água potável por dia, a partir dos dejetos de 100 000 pessoas.

O próximo passo, descreve ele, é a criação de um projeto piloto em Dacar, no Senegal.

(Da redação de VEJA.com)

Continua após a publicidade
Publicidade