Clique e assine com até 92% de desconto

Assim como nós, belugas formam sociedades complexas

Diferentemente das orcas, belugas formam grupos de até dois mil indivíduos que envolvem espécimes sem parentesco

Por Sabrina Brito Atualizado em 14 jul 2020, 18h04 - Publicado em 14 jul 2020, 15h50

De acordo com um estudo inédito, as belugas, também conhecidas como baleias-brancas, são capazes de formar relacionamentos complexos e verdadeiras sociedades. Esses animais são muito sociáveis, lançando mão de sons produzidos com suas cordas vocais para se comunicarem.

Publicada no último dia 10 no periódico científico Scientific Reports, a pesquisa é a primeira a analisar a fundo o comportamento grupal das belugas. Como resultado, os cientistas constataram que esses animais interagem não apenas com seus familiares, mas também com indivíduos com os quais não têm relação de parentesco.

Assim como as sociedades humanas, os grupos de belugas são formados por redes de relações que incluem cooperação e apoio entre desconhecidos. Levando em consideração o fato de que esses seres vivem até os setenta anos, infere-se que os relacionamentos com indivíduos desconhecidos dura por muito tempo, descartando-se a hipótese de relações curtas e casuais. Isso as difere de outros animais cujas vidas giram em torno de associações com parentes, como as orcas.

Os pesquisadores encontraram diversos tipos de comunidades de belugas durante o estudo, desde conjuntos compostos por mãe e filhote quanto por machos adultos ou grandes grupos com indivíduos de diferentes idades. As comunidades iam de dois a até dois mil espécimes.

O estudo foi realizado em dez locais diferentes pelo Ártico.

Continua após a publicidade
Publicidade