Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Arqueólogos descobrem ‘super Stonehenge’ cinco vezes maior que o original

A formação pode ser o maior monumento da pré-história inglesa e foi encontrado a menos de três quilômetros do Stonehenge original, uma das estruturas de pedra mais visitadas do mundo

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h01 - Publicado em 7 set 2015, 13h48

Um grupo de arqueólogos descobriu na Inglaterra o que pode ser o maior monumento da pré-história inglesa. São pelo menos 90 pedras de até 5 metros de altura alinhadas a menos de três quilômetros do famoso Stonehenge, em Salisbury, um dos monumentos de pedra mais visitados do mundo. Os cientistas, da Universidade de Bradford, estão chamando a estrutura de “Super-henge”, o que poderia constituir uma gigantesca arena de rituais pré-históricos. As pedras estão sob a superfície e a descoberta foi anunciada nesta segunda-feira, durante o Festival de Ciências Britânico, na universidade.

Leia também:

Acústica teria inspirado Stonehenge, segundo nova teoria científica

A chegada do solstício em Stonehenge, na Inglaterra

Continua após a publicidade

A nova construção, com 1,5 quilômetro de circunferência de 500 metros de diâmetro, é cinco vezes maior do que Stonehenge e estava disposta em forma de “C”, às margens de um vale. De acordo com os pesquisadores, foi construída há cerca de 4.500 anos. Stonehenge, considerado patrimônio mundial da Unesco, tem 3.500 anos.

Para o arqueólogo Vince Gaffney, um dos responsáveis pela pesquisa, trata-se de uma descoberta “única”, de um dos maiores monumentos da Europa. “Não acredito que haja nada comparável a isso em outro lugar do mundo. É completamente novo e extraordinário. Acreditamos que era um espaço para rituais, montado para impressionar e transmitir uma ideia de autoridade a vivos e mortos”, afirmou Gaffney.

Tecnologia – Os vestígios das pedras, enterradas a cerca de um metro da superfíce, foram rastreados com radares de última geração que fazem parte do projeto Paisagens Escondidas de Stonehenge, do instituto austríaco Ludwig Boltzmann. Os novos dados vão ajudar na criação de um mapa subterrâneo da área, que está sendo desenhado pelos cientistas há cinco anos. O propósito é compreender o lugar misterioso que, acredita-se, era destinado a rituais religiosos da pré-história. Com a tecnologia, não é preciso escavar a área ou alterar seu estado original.

As gigantescas pedras foram içadas ao lado de um henge, nome dado às construções do período Neolítico (entre 12.000 e 4.000 anos) que consistem em um vale circular escavado.

Embora os pesquisadores acreditem que a formação poderia ter sido construída pelas mesmas pessoas que ergueram Stonhenge, não consideram que exista uma relação direta entre ambos.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês