Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Arqueólogo diz ter localizado tumba de Nefertiti

De acordo com o britânico Nicholas Reeves, túmulo da rainha egípcia está em passagens secretas dentro do complexo mortuário do faraó Tutancâmon

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h02 - Publicado em 12 ago 2015, 17h40

A localização da múmia da rainha egípcia Nefertiti é um dos grandes desafios da arqueologia. Mas o arqueólogo britânico Nicholas Reeves diz ter resolvido o enigma: os restos mortais da rainha estão em passagens secretas construídas na tumba do faraó Tutancâmon, no Egito.

Em 1922, o explorador Howard Carter descobriu o túmulo de Tutancâmon, filho do faraó Akhenaton, que foi casado com a rainha Nefertiti, intacto e em ótimo estado. A câmara, visitada por milhares de pessoas desde então, guarda mais de 5 000 artefatos, além da múmia e do sarcófago do faraó que morreu aos 19 anos. De acordo com Reeves, rachaduras e marcas nas paredes indicam também a existência de câmaras escondidas, que guardariam os despojos de Nefertiti.

Leia também:

Vestígios de ocupação de 4 000 anos podem revelar como era o Rio de Janeiro pré-histórico

Estudantes franceses encontram dente humano de 560 mil anos

Tumba em 3D – Para chegar a essa conclusão, Reeves analisou imagens 3D de alta resolução do complexo mortuário, feitas por uma empresa espanhola de reconstruções de obras de arte, a Factum Arte. Esse conteúdo pode ser visto online, gratuitamente, desde 2014.

Continua após a publicidade

Em um artigo publicado no final de julho, Reeves afirma que, ao observar alguns detalhes das paredes, notou que elas podem abrigar duas câmaras secretas que foram fechadas e camufladas. Uma delas guardaria a múmia de Nefertiti, que viveu entre 1380 a.C e 1345 a.C. A outra é uma sala de armazenamento.

Reeves ressalta que sua descoberta ainda deverá ser testada por meio de técnicas modernas e mais precisas que não alterem as características da tumba de Tutancâmon e que podem facilmente ser empregadas pelos arqueólogos egípcios.

“Se eu estiver errado, estou errado. Mas se eu estiver certo, esta é potencialmente a maior descoberta arqueológica já feita”, declarou o arqueólogo em entrevista á revista britânica The Economist.

Sinais ocultos – Reeves baseou suas análises em alguns detalhes da tumba de Tutancâmon que ainda são misteriosos para os cientistas. Ele é mais “simples” que outros túmulos de faraós, que costumam ser suntuosos e imponentes. A explicação aceita até agora é que a tumba talvez não tenha sido feita exclusivamente para o faraó, que morreu precocemente e não deixou herdeiros. Mas, de acordo com Reeves, a câmara mortuária poderia ter sido preparada para a rainha e foi apressadamente adaptada para Tutancâmon.

Outras características, como o fato de o túmulo ser inclinado à direita do alicerce principal, típico da construção feita para rainhas e não reis egípcios, a máscara mortuária ter as orelhas furadas o que é comum em múmias femininas, e alguns artefatos que parecem ser “emprestados” de outros túmulos, apoiam a hipótese do pesquisador.

De acordo com ele, essas particularidades assinalam que a tumba da rainha era mais luxuosa que a de Tutancamôn e, por isso, o túmulo do faraó abriga peças que não foram usadas no sepulcro de Nefertiti.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade