Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Aprender uma segunda língua, mesmo na idade adulta, pode beneficiar o cérebro

Segundo pesquisadores, ser bilíngue exerce um efeito positivo sobre a capacidade cognitiva que dura até a velhice

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h12 - Publicado em 2 jun 2014, 16h20

Um novo estudo mostra que ser bilíngue exerce um efeito positivo sobre a capacidade cognitiva que dura até a velhice. A pesquisa, publicada no periódico Annals of Neurology, revelou que pessoas fluentes em dois ou mais idiomas – mesmo que tenham aprendido a segunda língua já na idade adulta – apresentam menor declínio cognitivo com o passar dos anos.

Estudos anteriores já haviam relacionado o domínio de dois ou mais idiomas com bom desempenho cognitivo e menor risco de demência em idosos, mas um grande obstáculo enfrentado por esse tipo de pesquisa era determinar se as pessoas melhoram suas funções cognitivas ao aprender novos idiomas ou se na verdade aqueles com melhores funções cognitivas é que têm mais chances de se tornarem bilíngues. “Nosso estudo foi o primeiro a examinar se aprender uma segunda língua impacta no desempenho cognitivo futuro levando em consideração a inteligência da pessoa durante a infância”, afirma Thomas Bak, pesquisador da Universidade de Edimburgo, na Escócia, e principal autor do estudo.

Leia também:

Idosos bilíngues têm cérebro mais “eficiente”

Bebês de famílias bilíngues têm mais facilidade para aprender idiomas

Na pesquisa atual, os cientistas utilizaram dados de 835 falantes nativos de inglês que nasceram e viviam na região de Edimburgo. Os participantes realizaram testes de inteligência em 1947, aos 11 anos de idade, e novamente por volta dos 70 anos, entre 2008 e 2010. Dentre as pessoas estudadas, 260 afirmaram serem capazes de se comunicar em pelo menos uma outra língua além do inglês. Dessas, 195 aprenderam a segunda língua antes dos 18 anos de idade, e 65 depois.

Os resultados indicam que aqueles que falam duas ou mais línguas apresentaram habilidades cognitivas acima da média. Os efeitos foram mais intensos na inteligência geral e na capacidade de leitura e foram observados tanto em quem adquiriu a habilidade de falar o segundo idioma cedo quanto mais tarde na vida. “Milhões de pessoas no mundo aprendem uma segunda língua mais tarde na vida. Nosso estudo mostra que ser bilíngue, mesmo que isso só aconteça na vida adulta, pode trazer benefícios para o cérebro”, afirma Bak.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês