Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Após mentir sobre clonagem humana, pesquisador sul-coreano clona coiotes

Hwang Woo-souk era considerado um dos pioneiros na pesquisa com células-tronco, mas fraude o colocou em desgraça

O polêmico cientista sul-coreano Hwang Woo-souk, que em 2005 enganou o mundo ao anunciar uma falsa clonagem de embriões humanos, conseguiu clonar oito coiotes, informou nesta segunda-feira o governo da província de Gyeonggi, patrocinador de seu trabalho.

Há seis anos, o antigo professor de veterinária da Universidade de Seul foi centro de um escândalo científico ao falsificar parte dos resultados sobre a obtenção de células-tronco a partir de embriões humanos clonados.

Hwang reconheceu ter falsificado parte da pesquisa e foi condenado pelo mau uso de recursos públicos, caindo no esquecimento.

Agora o instituto em que Hwang trabalha garante que ele conseguiu clonar com sucesso oito coiotes (Canis latrans), também conhecidos como chacais americanos e em risco de extinção, transferindo pela primeira vez o núcleo de células somáticas da espécie para óvulos de um cachorro comum.

Os embriões foram introduzidos em fêmeas de cães que deram à luz aos filhotes de coiote, revelou o governo de Gyeonggi.

Hwang e sua equipe trabalham ainda na clonagem de outra espécie de canídeo selvagem africano em risco de extinção.

O Clone

A ascensão e queda do pesquisador coreano Hwang Woo-souk

  1. FEVEREIRO/2004 – Hwang Woo-souk e seus colegas da Universidade Nacional de Seul, na Coreia do Sul, anunciam a produção, até então inédita, de células-tronco embrionárias a partir de células adultas. Hwag e sua equipe teriam injetado material genético humano de células adultas em óvulos que tiveram o DNA removido. Os embriões resultantes teriam o mesmo DNA dos doadores adultos, o que os tornaria clones. A ‘descoberta’, que depois foi desmarcarada, chegou a ser publicada na revista Science.
  2. MAIO/2004 Reportagem da revista Nature levanta as primeiras dúvidas sobre a falta de ética nas pesquisas de Hwang, afirmando que ele teria usado óvulos doados por membros de sua equipe.
  3. MAIO/2005 Novo estudo realizado pela equipe de Hwang afirma ter criado células-tronco embrionárias a partir de células da pele de pacientes adultos. Pesquisa confirmaria estudo de 2004.
  4. AGOSTO/2005 Hwang e sua equipe anunciam o primeiro cachorro clonado, Snuppy. Apesar das mentiras de Hwang, depois foi provado que Snuppy era um clone real.
  5. OUTUBRO/2005 – O governo coreano anuncia a criação do World Stem Cell Hub (Centro Mundial de Células-Tronco, em tradução livre). Hwang é nomeado chefe da instituição.
  6. NOVEMBRO/2005 Gerald Shatten, pesquisador da Universidade de Pittsburgh e coautor do estudo de Hwang publicado na Science, relata à revista uma série de problemas éticos na pesquisa, e o acusa de usar óvulos doados pelas assistentes. Hwang admite ter usado óvulos das assistentes e demite-se da World Stem Cell Hub.
  7. DEZEMBRO/2005 A Universidade Nacional de Seul abre investigações sobre o estudo de Hwang. No final do mês, as investigações chegariam a conclusão de que embriões normais foram criados por meio de fertilização in vitro, ou seja, nada de células-tronco. Tudo não passou de uma elaborada fraude.
  8. JANEIRO/2006 – Em um editorial, a revista Science faz uma retratação e avisa que os resultados das pesquisas publicadas são inválidos.
  9. FEVEREIRO/2006 – O Comitê Nacional de Bioética da Coreia do Sul confirma que Hwang forçou suas assistentes a doarem óvulos.
  10. MARÇO/2006 – Depois de sustentar uma fantasiosa hipótese de que outros pesquisadores teriam substituído as células-tronco, Hwang admite ter dado a ordem para os pesquisadores fraudarem com dados falsos o artigo publicado na Science. Hwang é demitido da Universidade Nacional de Seul e perde a licença para conduzir pesquisas com células-tronco embrionárias.
  11. OUTUBRO DE 2009 – Hwang é condenado por desvio de recursos e compra de óvulas pela justiça coreana, mas não vai preso.
  12. OUTUBRO/2011 – Patrocinado pela província de Gyeonggi, Hwang alega ter clonado oito coiotes.

(Com Agência EFE)