Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Alemanha defende criação de agência da ONU para desenvolvimento sustentável

Europeus querem criação de organismo que, na prática, seria sobre o meio ambiente. Brasil e Estados Unidos são contra

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h37 - Publicado em 9 Maio 2012, 21h35

A chefe do governo alemão, Angela Merkel, afirmou nesta quarta-feira que a ONU deveria criar uma agência especializada em desenvolvimento sustentável. “Em vista da importância crucial de temas como o desenvolvimento sustentável ou a proteção do meio ambiente, a ONU tem que ter, na minha opinião, uma instituição encarregada do desenvolvimento sustentável”, declarou a chanceler.

A possível criação de uma agência para este fim pode ser um dos temas discutidos na Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio +20), que será celebrada em junho no Rio de Janeiro. A embaixada da Alemanha em Brasília confirmou na segunda-feira que Merkel não estará presente à cúpula.

A ausência de Merkel será uma das mais sentidas no encontro, realizado entre 20 e 22 de junho, que terá como objetivo obter o compromisso dos líderes mundiais com uma nova economia para o planeta, que leve em conta a escassez de recursos naturais.

Até o momento, a ONU informou que espera 100 chefes de Estado e de governo, além de 50.000 participantes, incluindo representantes de movimentos sociais e empresários de todo o planeta. Esta será a quarta cúpula de desenvolvimento sustentável convocada na história, depois da de Estocolmo em 1972, do Rio de Janeiro em 1992 e Johannesburgo em 2002.

Nome diferente – De acordo com o ex-ministro do meio ambiente Rubens Ricupero, a proposta alemã representa apenas uma mudança de nome. “Os europeus são favoráveis à criação de uma agência mundial do meio ambiente, algo que os Estados Unidos e o Brasil são contra”, diz. “Essa nova proposta é, no fundo, a mesma agência disfarçada de um novo nome.”

Os EUA são contra a criação de uma nova agência na ONU pois a medida teria que ser aprovada pelo senado americano. O Brasil é contra o órgão especializado em meio ambiente por acreditar que é melhor concentrar esforços em torno do desenvolvimento sustentável.

(Com Agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade