Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Agricultura é mais antiga do que se acreditava, certifica estudo

Uma equipe internacional de pesquisadores encontrou evidências de que a atividade agrícola surgiu há 23.000 anos, sugerindo que civilizações humanas apareceram antes disso

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h02 - Publicado em 27 jul 2015, 18h26

Pesquisadores de Israel encontraram evidências de que a agricultura pode ter surgido há 23.000 anos e não há 12.000 anos, como se acreditava. De acordo com um estudo publicado na última semana na revista Plos One, a origem da revolução promovida pela atividade agrícola, que deu início à civilização como conhecemos, pode precisar ser recalculada. Com a agricultura surgindo mais cedo, o estabelecimento de assentamentos humanos também deve ser mais antigo do que se imaginava.

Leia também:

Agricultura se espalhou pela Europa vinda do Sul, afirmam cientistas

Agricultura causa 49% do desmatamento tropical, diz ONG

A descoberta foi feita em um assentamento na Galileia, no norte de Israel, na região conhecida como Crescente Fértil, no Oriente Médio, considerada o “Berço da Civilização”. Ali, os nômades se tornaram sedentários e se estabeleceram em comunidades agrícolas. Em 1989, uma seca revelou Ohalo II, um sítio arqueológico onde viveram caçadores, pescadores e agricultores há 23.000 anos. Foi nesse lugar que o grupo interdisciplinar de arqueólogos, botânicos e ecologistas das universidades israelenses de Bar-Ilan, Haifa e Tel Aviv, em parceria com a americana Harvard, encontrou cevada e trigo cultivados de 23 000 anos. A presença dos vegetais do tipo cultivado é maior que o selvagem, de acordo com as técnicas de análise genética empregadas pelos cientistas.

Continua após a publicidade

Eles também encontraram grande quantidade de ervas daninhas do mesmo período, plantas que só crescem em campos cultivados pelo homem. Além disso, foram catalogadas ferramentas como foices e raspadores de sílex usados para cortar e colher cereais que, segundo estudos anteriores, só tinham sido vistas 11.000 anos depois.

“Todas as descobertas deste lugar refletem o quão sábias eram as pessoas há 23.000 anos”, disse o professor Ehud Weiss, do Departamento de Estudos da Terra de Israel e Arqueologia da Universidade Bar-Ilan e um dos autores do artigo.

Tentativa de cultivo – Contudo, os pesquisadores se mostram cautelosos na hora de cravar a data do começo da agricultura e classificam a descoberta como uma “tentativa de cultivo”.

“Segundo as evidências, podemos garantir que começaram a cultivar cereais, mas aparentemente não foi um evento que se prolongou no tempo e existe uma lacuna de mais de 10.000 anos de quando tudo começou do zero e até a ação bem-sucedida”, definiu Weiss.

As transformações promovidas pela agricultura não mudaram apenas a sociedade, mas o planeta como um tudo, e acredita-se que tenha promovido o desenvolvimento e surgimento das propriedades e das cidades. “Ela influenciou o aparecimento de tecnologia porque o ser humano dispôs de mais tempo livre para se dedicar a outras atividades (como as intelectuais)“, explicou o professor.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade