Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Agressividade pode ter influenciado a forma da mão humana

Pesquisa mostra que o formato das mãos pode ter evoluído para potencializar a força dos socos

Por Da Redação - Atualizado em 6 maio 2016, 16h24 - Publicado em 20 dez 2012, 13h27

O formato das mãos dos seres humanos é um fator de grande importância evolutiva, que permitiu ao homem realizar diversas atividades para garantir sua sobrevivência e perpetuação da espécie. Grande parte dos especialistas atribui a forma da mão humana à necessidade de utilizar ferramentas primitivas e apanhar frutas, por exemplo. Mas uma pesquisa realizada na Universidade de Utah, nos Estados Unidos, sugere outro fator para explicar o formato das mãos: a agressividade. O estudo foi publicado nesta quarta-feira no periódico Journal of Experimental Biology.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Protective buttressing of the human fist and the evolution of hominin hands

Onde foi divulgada: periódico Journal of Experimental Biology

Publicidade

Quem fez: Michael H. Morgan e David R. Carrier

Instituição: Universidade de Utah, nos EUA

Resultado: Os cientistas observaram que a força do golpe com o polegar sobre as juntas é o dobro daquela presente nos golpes executados com o polegar estendido para o lado. Para os pesquisadores, isso ocorre porque o apoio do polegar possibilita um direcionamento maior do impulso em um alvo específico.

Os autores do estudo admitem que a destreza manual é um motivador na evolução da mão, mas argumentam que a violência também tem seu papel nesse processo. “Há pessoas que não gostam desta ideia, mas está claro que, em comparação com outros mamíferos, os grandes símios são um grupo relativamente agressivo, com muita luta e violência, e isto nos inclui”, afirmou David Carrier, que promove a nova teoria juntamente com o colega Michael Morgan.

Publicidade

A principal diferença entre as mãos humanas e as dos chimpanzés, os primatas evolutivamente mais próximos do homem, é que esses animais têm palmas e dedos mais longos, enquanto a configuração mais robusta da mão humana permite que o polegar seja dobrado sobre as articulações, fornecendo rigidez ao punho e ajudando a proteger a mão de eventuais danos durante o combate.

Potência do golpe – Os pesquisadores pediram a lutadores de artes marciais para alternar socos e tapas em um saco de pancadas e mediram a força dos golpes. Ao contrário do que eles esperavam, o soco não apresentou mais força do que o tapa.

Os cientistas pediram então aos mesmos voluntários que executassem golpes com o polegar estendido para o lado ou afastado dos demais dedos por um dispositivo denominado transdutor de força. Dessa forma, eles observaram que a força do golpe com o polegar sobre as juntas era o dobro daquela presente nos golpes executados com o polegar afastado.

Para os pesquisadores, isso ocorre porque o apoio do polegar possibilita um direcionamento maior do impulso em um alvo específico. Além disso, ter um polegar como sustentação significa que a junta da articulação é quatro vezes mais rígida, protegendo os delicados ossos das mãos e ligamentos de lesões.

Publicidade

(Com Agência France-Presse)

Publicidade