Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Xuxa radicaliza na passeata dos royalties no Rio

A rainha dos baixinhos foi a mais enfática das celebridades que subiram ao palanque: "Quem gosta de ser assaltado?", perguntou a uma multidão de 120 mil pessoas formada em sua maioria por servidores públicos

Por Leo Pinheiro, do Rio de Janeiro 10 nov 2011, 19h41

“Eu queria antes de mais nada fazer uma pergunta? Quem gosta de ser assaltado? Quem gosta de ser roubado levante a mão”, perguntou a rainha dos baixinhos, Xuxa Meneghel

Muitos artistas subiram ao palco montado na Cinelândia, no centro do Rio de Janeiro, para defender a manutenção da divisão dos royalties e participações especiais dos poços de petróleo já licitados. De todas as mãos pelas quais passou o microfone veio de uma gaúcha a declaração mais radical. “Eu queria antes de mais nada fazer uma pergunta. Quem gosta de ser assaltado? Quem gosta de ser roubado levante a mão”, provocou a rainha dos baixinhos, Xuxa Meneghel, para um público variado de diversas cidades do estado do Rio. Como mais do que esperado, ninguém levantou a mão. E a apresentadora acrescentou: “Então vamos acabar com a injustiça que estão querendo fazer com o Rio de Janeiro. Eu sou gaúcha, mas sou carioca de coração”, enfatizou.

As declarações de Xuxa não pararam por aí. Ela emendou um coro que ecoou pela praça da Cinelândia. “Eu sou carioca com muito orgulho, com muito amor”, cantou acompanhada pela multidão de 120 mil pessoas, segundo estimativa da Polícia Militar. Não foi a estreia da loura em protestos. Ela esteve na mesma praça na época das Diretas Já e na manifestação de 2010 contra a emenda Ibsen Pinheiro, que previa uma redistribuição dos royalties que imporia ao Rio uma perda de aproximadamente 7,3 bilhões de reais por ano.

O evento começou com o Hino Nacional, cantado por Toni Garrido acompanhado por um violino. Em seguida, subiu ao palco Fernanda Montenegro para ler o manifesto do movimento “Contra a injustiça, em defesa do Rio”. Um dos trechos diz: “O direito aos royalties nunca foi um ato de generosidade para com os estados produtores. Significa um reconhecimento, pela Justiça, dos impactos- econômicos, ambientais e sociais- que a exploração petrolífera pode representar. Mas agora, por conta de uma mistura de cobiça e ambição política, tudo isso é desprezado”.

Cissa Guimarães foi a mestre de cerimônias do protesto. Com uma blusa carregando a estampa de seu filho Rafael Mascarenhas, morto por atropelamento no ano passado, ordenou as entradas dos artistas no palco e as apresentações dos vídeos gravados por famosos. Um dos cantores que apareceram no telão da Cinelândia foi o baiano Caetano Veloso. “O que estão fazendo com o Rio é uma injustiça. E mexeu com o Rio mexeu comigo”, pontificou Caetano.

Alcione compôs o grupo dos artistas nascidos em outros estados e defensores do Rio de Janeiro. A luta agora é contra o projeto do senador Vital do Rêgo, aprovado no Senado Federal, que tira do Rio 3,2 bilhões de reais já em 2012. “O Rio não está pedindo favor a ninguém. Os royalties são um direito do estado”, afirmou a cantora.

Continua após a publicidade

Dois padres e dois funkeiros também tiveram a sua vez de mobilizar a população fluminense. Priscila Nocetti e Rômulo Costa, da Furacão 2000, chegaram a fazer o funk do petróleo, que empolgou os protestantes durante a caminhada da Candelária a Cinelândia. A letra diz: “Não adianta olho grande nem ambição. O petróleo é nosso, sim, é do nosso povão”.

Como programado, nenhum político fez uso do microfone. A decisão da organização do movimento irritou até aliados do governador Sérgio Cabral. Perguntado sobre o que motivou essa determinação, Cabral disse apenas que a manifestação era “um movimento popular”.

LEIA TAMBÉM:

Servidores públicos são maioria no protesto pelos royalties

A guerra dos royalties vai para a rua

O microfone é dos artistas no protesto contra redivisão dos royalties do petróleo

Governador do Rio afirma que mudança nos royalties compromete Copa e Olimpíadas

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)