Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Vídeo: Segurança do Metrô de SP dá tapa em vendedora ambulante

Delegacia especializada afirma que mulher se recusou a assinar apreensão de mercadorias; Metrô repudia violência e diz que afastou funcionário

Por Estadão Conteúdo 21 dez 2017, 20h30

Uma vendedora ambulante foi agredida no rosto por um segurança do Metrô de São Paulo, no início da noite de terça-feira, na estação Vila Matilde, da Linha 3-Vermelha, localizada na zona leste da capital paulista. O vídeo do momento em que a mulher, de nome Juliana, recebe um tapa do funcionário do Metrô veio à público nesta quinta-feira nas redes sociais.

A vendadora e sua colega, Marta, foram abordadas dentro do vagão na estação Guilhermina-Esperança e a discussão seguiu até a estação seguinte. Segundo a Delegacia de Polícia do Metropolitano (Delpom), localizada na Barra Funda, na zona oeste da cidade, os produtos que estavam com as duas foram apreendidos, mas ambas se recusaram a assinar o documento desse recolhimento.

As duas também alegam que não estavam vendendo as mercadorias no momento em que foram abordadas pelos seguranças. Depois da agressão do segurança, Juliana chega a tentar revidar, mas recua. Os passageiros que acompanharam a confusão questionaram a violência e outro segurança discute com usuários presentes.

Após a agressão, as duas mulheres prestaram queixa na Delpom e o caso foi registrado como lesão corporal e ameaça. O segurança ainda será interrogado. O nome do funcionário não foi divulgado.

  • O Metrô informou, em nota, que repudia todo e qualquer tipo de violência. “A atuação do empregado não condiz com as diretrizes de atendimento da companhia. Por isso, o agente de segurança envolvido na ocorrência foi afastado de suas funções para apuração”, destacou o posicionamento.

    Em 2016, a Companhia do Metropolitano de São Paulo afastou dois seguranças que foram filmados agredindo o estudante de história e skatista Gabriel Lima Pacheco, de vinte anos. O jovem apanhou a cassetadas na estação da Sé, na região central de São Paulo, depois de ter colocado o skate no chão enquanto esperava na fila para comprar passagens.

    Continua após a publicidade
    Publicidade