Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Universitária relata estupro e acusa quarto integrante da quadrilha da van

Jovem de 18 anos prestou depoimento e reconheceu Jonathan, um dos acusados. Polícia passa a procurar o quarto integrante da quadrilha: um homem alto, branco e de cabelo espetado, que atuava como cobrador

Por Pâmela Oliveira, do Rio de Janeiro - 2 abr 2013, 21h03

Terceira vítima de estupro a procurar a Polícia Civil para denunciar os homens acusados de cometer estupros em uma van no Rio, uma universitária de 18 anos prestou depoimento nesta terça-feira na Delegacia Especial de Atendimento ao Turista (Deat). A jovem, que passou toda a tarde e parte da noite com os investigadores, reconheceu um dos homens presos, Jonathan Foudakis de Souza, de 20 anos, e afirmou ter sido estuprada por um quarto integrante do grupo – um homem alto, branco, de cerca de 24 anos e com cabelo espetado. A descrição é compatível com o relato de duas vítimas de roubo que também procuraram a polícia esta tarde.

Segundo a jovem, o crime aconteceu na terça-feira de carnaval, 12 de fevereiro. Com dois amigos, ela voltava da Lapa para Copacabana. Os três embarcaram na van e, quase no fim da viagem, já na Zona Sul, todos haviam descido. Nesse momento, o homem alto e branco, que trabalhava como cobrador, tentou agarrá-la. Jonathan, segundo contou a jovem, dirigia o veículo.

“O cobrador tentou me agarrar, tirar minha roupa. Mas eu comecei a me defender dando chutes. O motorista parou a van, levantou e me segurou para o cobrador me estuprar. Acabou acontecendo porque ele era mais forte do que eu. Eu queria sair correndo. Chorei muito, não contei para ninguém”, disse, depois de prestar depoimento.

A universitária afirmou que foi estuprada apenas pelo cobrador, e Jonathan apenas a imobilizou. Ao longo de toda a ação, segundo conta, Jonathan xingava muito e a chamava de “vadia”. Ela disse não ter apanhado e contou que os dois a deixaram em um ponto em Copacabana.

Publicidade

Por vários dias, a vítima teve medo de falar sobre o caso, e até hoje não relatou o ocorrido à família. Tempos depois, ela contou o caso aos dois amigos que a acompanhavam no dia do crime. A decisão de comunicar o crime à polícia e denunciar os bandidos veio a partir do momento em que tomou conhecimento do estupro da jovem americana e das agressões contra o namorado francês. “Passei a sentir ódio e querer que eles paguem pelo que fizeram”, disse.

Assaltos – Duas novas vítimas de assalto procuraram a Delegacia Especial de Atendimento ao Turista (Deat) na tarde desta terça-feira. Dois homens que dirigem vans e trabalham em um ponto na Praça XV, no Centro do Rio, relataram assaltos cometidos pelo grupo na madrugada do último dia 8 de março. Eles reconheceram dois dos três acusados presos – Wallace Aparecido Souza Silva, de 22 anos, e Jonathan Foudakis de Souza – e disseram ter sido atacados também por um integrante do grupo que ainda não havia aparecido nos relatos. Ele seria um homem alto e branco.

Os dois homens assaltados afirmaram que o grupo começou a agir por volta da 0h30. Primeiro, assaltaram os passageiros e o motorista de uma van. Em seguida, voltaram ao mesmo ponto, na Praça XV, e entraram em outro veículo. No segundo ataque, além de roubar dinheiro e pertences, levaram também a van.

A polícia passa a procurar agora o homem descrito pelas vítimas, que pode ser um quarto integrante do bando. Até o momento, além de Wallace e Jonathan, também foi preso Carlos Armando Costa dos Santos, de 21 anos.

Publicidade

Até o momento, a polícia tem registro de três vítimas de estupro – a americana e duas brasileiras – e cinco de assalto. Esta manhã, o delegado Alexandre Braga afirmou que estão sendo revistas denúncias antigas de estupro para verificar se outras mulheres podem ter sido violentadas por Wallace, Jonathan, Carlos Armando e o quarto integrante do grupo.

LEIA TAMBÉM:

A van do horror

Publicidade

Estupro na van: para mãe de Jonathan, crime foi “uma monstruosidade”

Publicidade