Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

TRF nega pedido de Bumlai para revogar prisão preventiva

O pecuarista, amigo do presidente Lula, deve retornar à prisão em regime fechado

Por Hugo Marques Atualizado em 5 set 2016, 18h50 - Publicado em 5 set 2016, 18h40

O desembargador João Pedro Gebran Neto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, negou pedido de habeas corpus em que o pecuarista José Carlos Bumlai pedia a revogação da prisão preventiva. A prisão foi decretada pelo juiz Sergio Moro, da 13ª Vara da Justiça Federal do Paraná.

No recurso junto ao TRF, a defesa de Bumlai alegou que a prisão preventiva não mais se justifica, em função do encerramento da instrução do processo. A defesa sustentou que Bumlai é réu confesso e que não há enquadramento por organização criminosa.

O desembargador Gebran Neto levou em conta a magnitude e complexidade da Operação Lava-Jato e concluiu que não se verifica atraso suficiente para autorizar a concessão do pedido. “Os autos foram conclusos para sentença em 15.08.2016, de maneira que o prazo lapso transcorrido desde então não pode ser considerado excessivo”, diz o desembargador. Com a decisão do TRF, Bumlai deve voltar à prisão amanhã. O juiz Moro havia prorrogado o retorno do pecuarista para a carceragem da Polícia Federal em Curitiba.

Amigo pessoal do ex-presidente Lula, Bumlai tem recorrido a tratamentos de saúde e a internações para justificar a prisão domiciliar. A Justiça Federal determinou que a defesa de Bumlai apresente o resultado de todos os exames médicos. O pecuarista contraiu empréstimo fraudulento de 12 milhões de reais no Banco Schahin em 2004 para o Partido dos Trabalhadores.  A dívida foi quitada com recursos desviados da Petrobras.

Continua após a publicidade
Publicidade