Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Trem até Cumbica, que era para a Copa, fica mais caro e para 2019

Segundo a Secretaria de Transportes Metropolitanos de São Paulo, o custo adicional e o novo atraso foram provocados por causa de ajustes em um dos viadutos da futura linha

Prometida para a Copa do Mundo de 2014, a conclusão da linha já havia sido adiada pelo governo Geraldo Alckmin (PSDB) em novembro daquele ano para 2016. No início de 2015, o prazo foi prorrogado para 2017 e, agora, para 2019. Serão 12,2 quilômetros de extensão, fazendo conexão com a Linha 12-Safira (Brás-Calmon Viana) na Estação Engenheiro Goulart, zona leste, e duas novas estações, incluindo uma ao lado do aeroporto.

Segundo o secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, o custo adicional e o novo atraso foram provocados pela demora nos processos de desapropriação de imóveis e por causa de ajustes em um dos viadutos da futura linha, que terá cerca de 8,8 km de trilhos em vias elevadas. As obras tiveram início em dezembro de 2013, já com atraso de nove meses, com prazo de execução de 18 meses.

Leia também

Governo de SP deixa de repassar R$ 66 mi para Metrô

Alckmin adia por um ano obra de Metrô até Guarulhos

Ele afirma que o trecho que passa sobre a Rodovia Ayrton Senna vai precisar ser alargado porque a estrada ganhou uma quinta faixa de rolamento para melhorar o fluxo de veículos, dois meses antes do início da obra, em setembro de 2013. “É uma obra relativamente complexa”, disse Pelissioni, referindo-se ao traçado que passa ao lado do Parque Ecológico do Tietê. A linha também passará por cima da Via Dutra e do Rio Tietê e deve custar ao menos 1,9 bilhão de reais, incluindo a compra dos oito trens com oito carros cada.

O secretário de Alckmin também culpou a falta de repasses para a obra previstos pelo governo federal. O Ministério das Cidades havia prometido 250 milhões de reais para financiar parte da Linha 13. “O prazo tem relação com a demora das desapropriações e nós também tivemos o problema da não vinda dos recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC)”, disse.

Recurso federal – Ele afirmou que, por causa da demora do envio da verba, a secretaria desistiu do dinheiro federal para o projeto e fez empréstimo no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que já estava disponível para reformas de estações da CPTM. A verba do PAC, segundo Pelissioni, vai ser usada agora para deixar as estações acessíveis. Além de duas novas estações (Guarulhos-Cecap e Aeroporto), a CPTM vai ampliar a Estação Engenheiro Goulart, da Linha 12-Safira. O Ministério das Cidades informou que o governo estadual desistiu de usar o recurso no projeto de construção da linha, mas a verba federal continua disponível para a área de mobilidade.

Os dois aditivos com a prorrogação do prazo de entrega e o aumento do custo da obra foram assinados no dia 19 de fevereiro pela CPTM com o consórcio CST, formado pelas empresas Consbem, Serveng Civilsan e TIISA e responsável pelos lotes 2 e 4 da Linha 13. No primeiro deles, o prazo foi prorrogado por mais 34 meses a partir deste mês, ou seja, até janeiro de 2019, e o valor ampliado em 61,2 milhões de reais, 18,1% a mais do que o previsto.

Lotes – O especialista em transporte sobre trilhos e consultor da área Peter Alouche afirmou que os atrasos ocorrem porque “as obras têm projetos longos, em tempo de execução, e amadurecem durante a construção” das linhas. Segundo ele, isso acontece tanto nos projetos da CPTM como nos do Metrô. “No meio do caminho, os departamentos técnicos da companhia e das empreiteiras identificam avanços que podem ser feitos”, afirmou Alouche.

(Com Estadão Conteúdo)