Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Tragédia no caminho da Copa: viaduto que desabou em Belo Horizonte era passagem de seleções e torcedores

Prefeito Márcio Lacerda afirma que "falha de execução ou erro no projeto" são investigados como possíveis causas do desabamento na Avenida Pedro I

O desabamento de um viaduto em construção na tarde desta quinta-feira em Belo Horizonte é uma tragédia no caminho da Copa do Mundo. Parte do ‘PAC da Copa’, a obra integrava o conjunto do BRT Antonio Carlos/Pedro I, e deveria estar pronta para facilitar o deslocamento de delegações e torcedores para a competição, mas, assim como aeroportos e outras obras de mobilidade, não ficou pronta a tempo. Pelo local passaram as seleções de Chile, Argentina e Argélia, para partidas no Mineirão. Até o momento foram confirmadas as mortes de Hanna Cristina dos Santos, de 25 anos, motorista de micro-ônibus, e de Charles Frederico Moreira dos Nascimento, condutor de um Fiat Uno que ficou sob os escombros. Vinte e duas pessoas ficaram feridas.

A mulher do motorista do Uno, Cristilene dos Santos, ainda muito abalada, informou que o marido estava indo buscá-la no trabalho quando houve o desabamento. “Eu já sabia que era o meu marido. Assim que ouvi sobre o acidente, liguei para o celular e ele não atendeu. A PM me mostrou foto do veículo sob os escombros logo depois”, contou.

Leia também:

Viaduto desaba e deixa dois mortos em Belo Horizonte

Fan Fest cancelada – Em respeito às famílias das vítimas, a Prefeitura da capital mineira cancelou a Fan Fest programada para esta sexta-feira, dia de dois jogos de quartas de final da Copa do Mundo, incluindo Brasil e Colômbia, em Fortaleza. O prefeito Márcio Lacerda (PSB) decretou luto oficial de três dias.

O tenente-coronel Edgar Estevo da Silva, assessor de comunicação do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, informou, em uma coletiva no fim da tarde, que o acaso evitou número maior de vítimas na tragédia. “As obras nesse trecho da Pedro I começaram há mais de um mês. A movimentação de carros no local só é significativa no horário de pico. No momento em que houve o desabamento havia pouco movimento, o que evitou tragédia maior”, disse.

O trânsito na Pedro I ficará interditado por tempo indeterminado. Os trabalhos no local vão prosseguir por toda a noite e madrugada. No local, além da Polícia Militar, bombeiros e Samu, estão equipes da Guarda Municipal, da Empresa de Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), da Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap) e do Exército. O presidente da BHTrans, Ramon Victor, chegou em carro oficial no início da noite, mas ainda não se pronunciou sobre o ocorrido. Representantes da empresa de engenharia Cowan também acompanham os trabalhos de retirada dos blocos de concreto.

Viaduto desaba em Belo Horizonte

O prefeito Márcio Lacerda disse que está prestando auxílio aos parentes das vítimas. “Em cinco anos de obras, foi o primeiro acidente. Lamentamos o ocorrido. Possivelmente o que aconteceu foi uma falha de execução ou erro no projeto. Já foi determinada a instauração de um inquérito para apurar responsabilidades. A empresa contratada é de grande porte, com muitos anos no mercado.”

De acordo com levantamento do site Contas Abertas, o BRT Antonio Carlos/Pedro I tem previsão de gastos de 713,5 milhões de reais. O trânsito pela Avenida Pedro I – via liga a região da Pampulha à de Venda Nova, dá acesso à rodovia MG-10 e ao aeroporto de Confins – ficará interditado até que os bombeiros e equipes de obras retirem as toneladas de aço e concreto.

O local do acidente fica a cerca de 5 quilômetros do estádio Mineirão, que recebe em 8 de julho, próxima terça-feira, um dos jogos das semifinais da Copa do Mundo, e a 10 quilômetros da Cidade do Galo, o Centro de Treinamento do Atlético-MG, onde a seleção argentina está concentrada.

Em nota, a prefeitura de Belo Horizonte informou que acompanha os trabalhos no local e a apuração das causas do desabamento. Diz um trecho da nota: “Um comitê composto por técnicos da Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura, da Defesa Civil, da Cowan, empresa responsável pelas obras, e da Consol, empresa responsável pelo projeto, foi imediatamente convocado para fazer um levantamento de todos os dados que envolvem o ocorrido, elaborar um criterioso diagnóstico das causas do acidente e definir as providências que serão tomadas. Este comitê também irá acompanhar de perto o trabalho de perícia e elaboração de laudo técnico por parte das autoridades competentes, fornecendo inclusive todas as informações necessárias para o esclarecimento das causas deste lamentável acidente”.