Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Tráfico usa roupa especial para se esconder nas matas

Bandidos de São Gonçalo compraram vários 'Ghillie Suits' para enfrentar a polícia na floresta da região do Salgueiro

Por Leslie Leitão Atualizado em 30 set 2016, 20h34 - Publicado em 30 set 2016, 20h23

O Complexo de favelas do Salgueiro, em São Gonçalo, tornou-se uma das principais bases do Comando Vermelho depois da implantação do projeto das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP). Enquanto o Estado tentava ocupar territórios na capital fluminense no início da década, o crime migrava e se fortalecia na região metropolitana. Hoje, o local é uma espécie de bunker do tráfico e esconderijo preferido de alguns dos mais procurados criminosos do Rio de Janeiro. Foi lá que, no último dia 26, o traficante Nicolas Labre Pereira de Jesus, o Fat Family, foi morto pela Coordenadoria de Recursos Especiais (Core). Agora, fotos apreendidas pela polícia dão uma dimensão do tamanho do problema. Com uma vasta área de mata, a quadrilha se camufla vestindo roupas especiais para se esconder e emboscar a polícia em ações de combate ao tráfico.

LEIA TAMBÉM:
Polícia Civil mata o traficante Fat Family 
Traficante Fat Family vivia escondido na mata

A roupa é conhecida como Traje Ghillie (Ghillie Suit, em inglês), idealizado por escoceses no início do século passado e muito utilizado por caçadores e atiradores de elite (snipers), com o objetivo de se misturar ao ambiente. “É um pouco dessa tática de guerrilha adotada pelos criminosos, para fazerem emboscadas sem serem vistos na mata”, afirma o delegado Fabrício Pereira, que comandou a ação que resultou na morte de Fat Family.

A novidade é fácil de ser adquirida. Numa simples busca no Google há ofertas de todos os tipos desses modelos, com preços variando entre 220 e 600 reais para modelos mais sofisticados. O traje é muito usado por jogadores de paintball. Há sites, inclusive, que ensinam a fazer a roupa em dez passos.

Em uma das fotos obtidas pela polícia, cinco traficantes (pés de chinelo, literalmente) exibem as roupas cobertas de folhas e um armamento pesado. São pelo menos cinco fuzis, sendo um deles com luneta para tiros de precisão. Em outra imagem um traficante faz um close na roupa e no seu fuzil FAL 7.62, pintado com o nome Salgueiro. Em meio à mata, fica difícil até de perceber que é um homem em pé na cena.

Em junho, numa operação do Comando de Operações Especiais (COE), agentes do Bope já haviam apreendido algumas dessas roupas camufladas utilizadas pelos criminosos.

Bandido com a roupa e o fuzil FAL com a inscrição Salgueiro
Bandido com a roupa e o fuzil FAL com a inscrição Salgueiro Reprodução

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês