Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Traficante nega ter comprado arma de líder comunitário

Bandido aparece em vídeo entregando dinheiro a William da Rocinha, ex-presidente de uma associação de moradores. Testemunha do caso afirma ter editado as imagens

Por Da Redação Atualizado em 10 dez 2018, 10h53 - Publicado em 17 dez 2012, 20h30

Dois depoimentos prestados nesta segunda-feira à Justiça do Rio podem mudar os rumos do processo a que responde o ex-líder comunitário William de Oliveira, o William da Rocinha. Em fevereiro deste ano, William foi preso depois da revelação de um vídeo em que ele, para a polícia, estaria vendendo um fuzil para o traficante Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, que comandava o tráfico naquela favela. Um dos depoimentos é de Flávio Henrique Moreira de Lima Casser, que admitiu à juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce dos Santos, da 38ª Vara Criminal da Capital, ter editado as imagens para prejudicar William. Segundo Casser, a ordem para editar o material partiu de do também traficante Vanderlan Barros de Oliveira, conhecido como Feijão, assassinado em março deste ano.

À tarde, por videoconferência, o traficante Nem também depôs e afirmou que nunca comprou armas de William. O ex-líder comunitário presidiu a União Pró Melhoramentos da Rocinha. Seu vice-presidente à época, Alexandre Leopoldino Pereira da Silva, também é réu no processo.

“Percebi que alguma maldade ou algo mais sério aconteceria quando Feijão pediu a retirada da cena da passagem de um fuzil de Nem para Perninha”, afirmou Flávio Casser. Com essa mudança, a impressão é de que a arma não estava com o traficante antes da chegada de William.

William era assessor parlamentar da vereadora Andréa Gouveia Vieira, que o exonerou imediatamente após a revelação das imagens. A vereadora afirmou que a polícia precisa refazer a investigação, pois William foi indiciado apenas com base nas imagens editadas. Para a Polícia Civil, apesar de haver uma mudança na informação sobre como o vídeo foi obtido, William da Rocinha cometeu crime. Ele próprio afirmou à Justiça ter sido forçado a receber o dinheiro de Nem, que foi gasto em sua campanha política.

https://www.youtube.com/watch?v=_vYXvcyAsBY

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês