Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Testemunhas de acusação terminam de ser ouvidas no segundo dia do júri de Gil Rugai

Alberto Bazaia, amigo de Luís Carlos Rugai, deve relatar aos jurados que pai e filho tinham relação conturbada

Mais duas testemunhas de acusação devem ser ouvidas nesta terça-feira, quando for retomado o julgamento de Gil Rugai, ex-seminarista de 29 anos acusado de matar o pai e a madrasta em março de 2004. O julgamento começou na segunda-feira e foi suspenso depois de oito horas de audiência e do depoimento de três testemunhas.

Os próximos a serem ouvidos são o delegado Rodolfo Chiarelli e o instrutor de voo Alberto Bazaia Neto. Amigo próximo do pai do acusado, Bazaia deve, segundo o Ministério Público, mostrar que o réu tinha desavenças com as vítimas e, por isso, teria intenção de matá-las.

A promotoria argumenta que Rugai decidiu assassinar o pai, Luís Carlos Rugai, e a madrasta, Alessandra Troitino, depois de ele ser descoberto desviando dinheiro da produtora de filmes da família. Os dois foram encontrados mortos com tiros pelas costas. Já a defesa tenta demostrar que Gil Rugai tinha uma relação afetuosa com o pai e, para isso, pretende ler para os jurados cartas trocadas entre o acusado e a avó.

Leia também:

Leia também: Defesa diz que apontará assassinos do pai de Gil Rugai

A última testemunha de acusação, o delegado Rodolfo Chiarelli, participou da investigação do caso e pode explicar por que uma das principais testemunhas da acusação no processo, o vigia Domingos de Oliveira, mudou sua versão dos fatos no terceiro depoimento no inquérito. O vigilante da rua onde moravam as vítimas, na Zona Oeste de São Paulo, disse inicialmente à polícia que não sabia quem eram as duas pessoas que viu sair da residência. Depois, mudou a versão e confessou ter visto Gil Rugai na noite dos assassinatos. No júri, ele voltou afirmar que o acusado estava no local do crime.

Primeiro dia – Além do vigia, foram ouvidos no primeiro dia de julgamento o médico legista Daniel Munhoz e o perito Adriano Yonanime. Ambos foram convocados pela acusação para dar esclarecimentos sobre a ligação de uma marca de sapato encontrada na porta da casa das vítimas, feita possivelmente na hora do arrombamento da residência no dia do crime.

Para o legista, a lesão encontrada no pé de Rugai é “compatível” com a batida, mas pode ter sido provocada por outros tipos de impactos. Já Yonanime afirmou que tinha “certeza” de que Rugai havia arrombado a porta e que um dos sapatos do réu “encaixava perfeitamente” com o solado marcado na porta. Adriano disse ainda que chegou a ligar para o ex-professor de jiu-jitsu do réu para saber se ele poderia arrombar a porta com um chute. “O professor disse que o réu tinha força suficiente”, disse o perito.

Rugai passou toda a audiência em silêncio, sentado ao lado dos advogados e do perito contratado pela defesa. De terno e gravata, ele chegou ao tribunal abraçado com a mãe e afirmou à imprensa estar “tentando ficar tranquilo” e que “as provas não dizem nada”.