Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Tática de defesa de Lula: irritar Moro

Durante audiência, advogados do ex-presidente assumem postura agressiva contra juiz 

O primeiro dia de julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi marcado pelo ataque dos advogados do petista ao juiz Sergio Moro. A agressividade adotada pelos criminalistas José Roberto Batochio e Cristiano Zanin durante o depoimento do ex-senador Delcídio do Amaral revela a estratégia que a defesa do petista vai adotar nos julgamentos da Lava Jato: colocar em xeque a imparcialidade do juiz na ação.

De forma deliberada, Batochio e Zanin se revezavam nos ataques interrompendo a todo momento a audiência com questões de ordem ou pondo em dúvida os procedimentos adotados por Moro. Os advogados chegaram a acusá-lo de rasgar o Código de Processo Penal. Batochio foi além, afirmando que “o juiz não é o dono do processo” e sugeriu que Moro queria suprimir o direito de defesa: “Eu imaginei que isso tivesse sido sepultado em 1945, e vejo que ressurge aqui, nesta região agrícola do nosso país”.

Veja também

O objetivo era fazer com que Moro reagisse de maneira pessoal aos ataques, confirmando a tese de que ele atua de maneira pessoal contra o ex-presidente. Por pouco, a armadilha não surtiu efeito: “Essa é a posição do juízo, doutor”, respondeu em voz alta o juiz Sergio Moro ao criminalista José Roberto Batochio, que tentava colocar em dúvida a legalidade da conduta do juiz de fazer perguntas às testemunhas. Foi uma das raras vezes em que Moro perdeu a paciência na Lava Jato.

A estratégia de importunar o juiz está sendo construída publicamente nas últimas semanas. No início do mês, em coletiva a jornalistas estrangeiros na Suíça, eles apontaram Moro como uma peça “de um grande golpe armado pela imprensa brasileira e pelas elites” contra Lula e contra a Petrobras. Na última sexta-feira, eles pediram à Procuradoria-Geral da República a prisão de Moro por abuso de autoridade.

A tática não deve ter impacto imediato no julgamento de Lula nas ações que correm na 13ª Vara Federal de Curitiba, mas pode ajudar o petista no futuro caso a tese de que Moro está sendo parcial encontre eco nas instâncias superiores.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Victor Viana

    No segundo grau que vamos ver no que dá!

    Curtir

  2. esta penca de advogados do Lula estão trabalhando por ideologia e amor?

    Curtir

  3. Fernando José da Silva Monteiro

    Fica aqui minha sugestão aos advogados que atuam na defesa da canalha politiqueira: quando estiverem no banheiro, releiam o Código de Ética dos advogados, em seu capítulo I, das regras deontológicas, principalmente os art. 2º, parágrafo único, incisos I, II, V, VII, VIII, itens b,c e d, bem como o artigo 6º. Por certo, se detentores de um mínimo de dignidade, desistiriam de defender a canalha. Mas por onde anda a OAB?

    Curtir

  4. Neri Antonio

    Até onde vão as prerrogativas de um advogado de defesa? Pode ele se comportar agressivamente ao dirigir-se a um juiz federal, seja de que instância for? Mesmo no exercício da defesa de um cliente o advogado não pode ser enquadrado em desacato? Penso que um advogado não pode tudo para defender seu cliente e acho que no caso das confrontações dos advogados do Lula para com o juiz Sérgio Moro extrapola os direitos que tem. Não é um caso de abuso que precisa ser corrigido também pela OAB?

    Curtir