Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Suspeito de agredir coronel em protesto em SP é solto

A Justiça concedeu liberdade provisória ao estudante Paulo Henrique dos Santos, detido desde o dia 25 de outubro

Por Eduardo Gonçalves Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 7 nov 2013, 19h42

Após negar três pedidos de habeas corpus, a Justiça de São Paulo concedeu nesta quinta-feira liberdade provisória para o estudante Paulo Henrique Santiago dos Santos, de 22 anos, suspeito de agredir o coronel da PM Reynaldo Simões Rossi durante protesto convocado pelo Movimento Passe Livre (MPL), no último dia 25. Na decisão, o juiz Alberto Anderson Filho argumentou que manter Santos preso poderia causar um “constrangimento ilegal”, já que a “perfeita elucidação do caso” demandará tempo e o Ministério Público não ofereceu nenhuma denúncia contra ele. Santos está detido há treze dias no Centro de Detenção Provisória (CDP) Pinheiros e deve ser posto em liberdade entre a noite desta quinta-feira e a manhã de sexta-feira.

O juiz impôs uma série de condições para conceder a liberdade provisória, entre elas, a que proíbe o estudante de participar de manifestações, além de frequentar bares, casas noturnas, locais de reunião e aglomeração de pessoas, “exceto a faculdade que está cursando”. Ele também deve comparecer mensalmente em juízo “para informar e justificar suas atividades”. Este é o quarto pedido de habeas corpus apresentado pela defesa do estudante – os outros três haviam sido negados pela Justiça.

O estudante foi identificado por um policial militar infiltrado e indiciado por tentativa de homicídio e associação criminosa.

Continua após a publicidade

Segundo a defesa, o jovem não pertence ao grupo dos black blocs e as filmagens comprovam a sua inocência. Os advogados contrataram os serviços do perito Ricardo Molina para mostrar que ele não participou do espancamento, embora no vídeo apareça próximo dos agressores.

Leia também:

Alckmin diz que agressão a coronel foi covarde e pede mudança na legislação 95% dos paulistanos rejeitam black blocs, indica Datafolha

Continua após a publicidade

A agressão ao coronel foi filmada e divulgada na internet. As imagens mostram um grupo de mascarados desferindo chutes, socos e até golpes com pedaços de madeira e placas de metal contra o coronel. O único que aparece no vídeo com o rosto descoberto é Santos.

Segundo a Polícia Militar, Rossi teve lesões na cabeça e foi encaminhado para o hospital. O protesto que defendia a tarifa zero terminou em ações de vandalismo e saques no terminal de ônibus Parque Dom Pedro II, no centro de São Paulo. Na ocasião, 78 pessoas foram detidas e logo depois a maioria foi liberada.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.