Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Suspeito de agredir coronel em protesto em SP é solto

A Justiça concedeu liberdade provisória ao estudante Paulo Henrique dos Santos, detido desde o dia 25 de outubro

Por Eduardo Gonçalves 7 nov 2013, 19h42

Após negar três pedidos de habeas corpus, a Justiça de São Paulo concedeu nesta quinta-feira liberdade provisória para o estudante Paulo Henrique Santiago dos Santos, de 22 anos, suspeito de agredir o coronel da PM Reynaldo Simões Rossi durante protesto convocado pelo Movimento Passe Livre (MPL), no último dia 25. Na decisão, o juiz Alberto Anderson Filho argumentou que manter Santos preso poderia causar um “constrangimento ilegal”, já que a “perfeita elucidação do caso” demandará tempo e o Ministério Público não ofereceu nenhuma denúncia contra ele. Santos está detido há treze dias no Centro de Detenção Provisória (CDP) Pinheiros e deve ser posto em liberdade entre a noite desta quinta-feira e a manhã de sexta-feira.

O juiz impôs uma série de condições para conceder a liberdade provisória, entre elas, a que proíbe o estudante de participar de manifestações, além de frequentar bares, casas noturnas, locais de reunião e aglomeração de pessoas, “exceto a faculdade que está cursando”. Ele também deve comparecer mensalmente em juízo “para informar e justificar suas atividades”. Este é o quarto pedido de habeas corpus apresentado pela defesa do estudante – os outros três haviam sido negados pela Justiça.

O estudante foi identificado por um policial militar infiltrado e indiciado por tentativa de homicídio e associação criminosa.

Segundo a defesa, o jovem não pertence ao grupo dos black blocs e as filmagens comprovam a sua inocência. Os advogados contrataram os serviços do perito Ricardo Molina para mostrar que ele não participou do espancamento, embora no vídeo apareça próximo dos agressores.

Continua após a publicidade

Leia também:

Alckmin diz que agressão a coronel foi covarde e pede mudança na legislação 95% dos paulistanos rejeitam black blocs, indica Datafolha

A agressão ao coronel foi filmada e divulgada na internet. As imagens mostram um grupo de mascarados desferindo chutes, socos e até golpes com pedaços de madeira e placas de metal contra o coronel. O único que aparece no vídeo com o rosto descoberto é Santos.

Segundo a Polícia Militar, Rossi teve lesões na cabeça e foi encaminhado para o hospital. O protesto que defendia a tarifa zero terminou em ações de vandalismo e saques no terminal de ônibus Parque Dom Pedro II, no centro de São Paulo. Na ocasião, 78 pessoas foram detidas e logo depois a maioria foi liberada.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês