Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Suposto psicopata canadense se declara inocente de assassinato de chinês

Por Da Redação - 19 jun 2012, 18h46

O ex-ator pornô canadense Luka Rocco Magnotta se declarou inocente nesta terça-feira das acusações de assassinato e esquartejamento de um estudante chinês, após uma breve audiência por videoconferência em Montreal.

Magnotta, 29 anos, permaneceu impassível durante os dez minutos de audiência, realizada em inglês, em que ficou de pé em uma cabine, acompanhado por dois policiais.

Magnotta se declarou não culpado de cinco acusações no centro de detenção da polícia no norte de Montreal, onde ele está detido desde segunda-feira à noite.

Magnotta é suspeito de ter assassinado e esquartejado brutalmente o estudante chinês Lin Jun, 33 anos, com um picador de gelo, na madrugada de 25 de maio, em Montreal.

Publicidade

Além disso, ele é acusado de ter enviado partes do corpo de Lin Jun pelo correio, e de ter filmado e divulgado na internet um vídeo mostrando detalhes do crime macabro.

Os investigadores ainda buscam a cabeça da vítima. “Encontramos ele, mas isso não nos permitiu ter a resposta da pergunta número um, que é: ‘Onde está a cabeça da vítima?'”, declarou o comandante Ian Lafrenière, porta-voz do Serviço de Polícia de Montreal (SPVM).

O suspeito iria ser transferido ainda nesta terça-feira para a prisão, e submetido a um exame psiquiátrico antes das 14h de quinta-feira, quando deve comparecer novamente ao tribunal, via videoconferência.

“O pedido da defesa é de que seja adiado o seu comparecimento (…) para quinta-feira”, disse aos jornalistas o procurador da Coroa (Ministério Público), Louis Bouthillier, que explicou que o advogado de defesa solicitará ao tribunal que o acusado seja “examinado em nível psiquiátrico, para determinar sua responsabilidade penal”.

Publicidade

Depois de cometer o crime, Magnotta fugiu do Canadá, e foi preso na Alemanha em 4 de junho, após ficar foragido por dez dias. Ele chegou na noite desta segunda-feira a Montreal, em um avião militar e sob forte esquema policial.

Publicidade