Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sumiço de pescador é investigado em Niterói-RJ

Por Fábio Grellet

Rio de Janeiro – A Delegacia de Homicídios (DH) de Niterói (RJ) passou a investigar o sumiço do pescador Fernando Antônio Maringe Duarte, de 63 anos. Ele está desaparecido desde a tarde de 25 de novembro de 2011, quando deixou o cais da colônia de pescadores de Jurujuba, em Niterói, com destino às Ilhas Cagarras, no Rio. Seu barco foi encontrado dois dias depois, vazio e amarrado a uma boia de sinalização na Baía de Guanabara. Equipamentos e objetos haviam sido levados. Segundo a família do pescador, o barco fazia sua primeira viagem após uma reforma, e foi saqueado. Até o motor foi levado.

O desaparecimento de Duarte estava sendo investigado por delegacias da área (primeiro a 77ª DP, depois a 76ª DP, ambas de Niterói), mas, em quase oito meses de apuração, nenhum suspeito foi identificado. Agora a DH de Niterói assumiu a investigação. A Polícia Civil acredita que o caso possa ter ligação com a morte de dois pescadores ligados à Ahomar (Associação Homens do Mar) da Baía de Guanabara, em junho. Almir Nogueira de Amorim, de 45 anos, e João Luiz Telles Penetra, de 40 anos, saíram da ilha de Paquetá para pescar em 22 de junho e sumiram. Seus corpos foram encontrados nos dias 24 e 25 de junho.

A Ahomar reúne pescadores que praticam a pesca artesanal e combatem a instalação de gasodutos e zonas industriais na baía. O grupo estaria sendo vítima de criminosos a serviço de grandes empresas, interessadas na industrialização da área. Outros dois integrantes da entidade foram mortos nos últimos anos: Paulo Cézar Santos Souza, tesoureiro e fundador da Ahomar, foi morto em maio de 2009 com cinco tiros. Márcio Amaro, também fundador da associação, foi assassinado em janeiro de 2010. As mortes de Amorim e Penetra estão sendo investigadas pela Delegacia de Homicídios do Rio, que não divulgou a evolução do caso.