Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

STJ nega liberdade a pai do menino Bernardo

Leandro Boldrini é acusado de participar do assassinato do filho com a mulher, Graciele Ugulini

Por Da Redação 7 Maio 2015, 20h36

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou por unanimidade, nesta quinta-feira, pedido de liberdade de Leandro Boldrini, pai de Bernardo, morto no Rio Grande do Sul em abril de 2014, aos 11 anos. Boldrini é acusado de participar do assassinato do filho com a mulher, Graciele Ugulini, a amiga do casal Edelvânia Wirganovicz e o irmão dela, Evandro Wirganovicz.

Manobras atrasam júri da morte do menino Bernardo

MP denuncia quatro por morte do menino Bernardo

Vigília marca um ano da morte do menino Bernardo

Os ministros mantiveram a decisão de novembro de 2014 que determinou que Boldrini permanecesse preso. Na época, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul negou o pedido de habeas corpus.

Nesta quinta-feira, o STJ também negou o pedido da defesa de Boldrini para que o julgamento fosse transferido da cidade de Três Passos, onde a família residia, para o município vizinho de Frederico Westphalen, onde o corpo de Bernardo foi enterrado. Os advogados do médico defendem que o clamor popular e a pressão pública podem influenciar o andamento do processo. A defesa de Boldrini deve recorrer novamente, agora ao Supremo Tribunal Federal (STF).

O pai de Bernardo foi preso em abril de 2014. Indiciado pela polícia, acabou denunciado pelo Ministério Público. Boldrini, Graciele e Edelvânia respondem por homicídio quadruplamente qualificado (motivos torpe e fútil, emprego de veneno e recurso que dificultou a defesa da vítima) e ocultação de cadáver. Wirganovicz responde por ocultação de cadáver.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade