Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

STF anula provas contra ex-senador Demóstenes Torres

Segunda Turma da Corte votou em unanimidade pela anulação da investigação do Ministério Público de Goiás contra o ex-senador do DEM, cassado em 2012

Em julgamento nesta terça-feira, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) anulou, em decisão unânime, as provas reunidas contra o ex-senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO) nas operações Vegas e Monte Carlo, deflagradas em 2008 e 2012, em que o ex-parlamentar foi flagrado pelo Ministério Público de Goiás em conversas comprometedoras com o contraventor Carlos Augusto Ramos, conhecido como Carlinhos Cachoeira.

As provas anuladas, sobretudo escutas telefônicas, são a base da ação penal por corrupção passiva e advocacia administrativa em que Demóstenes é réu na Justiça de Goiás. Votaram pela anulação das provas os ministros Dias Toffoli, relator da matéria no STF, Teori Zavascki, Ricardo Lewandowski, Celso de Mello e Gilmar Mendes. O ex-senador foi cassado por quebra do decoro parlamentar em julho de 2012, em sessão com voto secreto.

O argumento do advogado de Demóstenes, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, é o de que a primeira instância usurpou a competência do STF ao autorizar escutas telefônicas contra o ex-senador. Cabe exclusivamente ao STF autorizar investigações contra parlamentares, que têm foro privilegiado.

Conforme VEJA revelou em março de 2012, Demóstenes tinha intimidade com Cachoeira, de quem recebeu de presente uma geladeira e um fogão importados avaliados em 30.000 reais – da mesma marca que equipa a Casa Branca. O senador e o bicheiro se falavam em média duas vezes por dia, segundo as investigações. Demóstenes tratava Cachoeira por “professor” e era tratado como “doutor”.

Os autos do MP-GO apontam que Demóstenes recebeu, entre junho de 2009 e fevereiro de 2012, mais de 5 milhões de reais em três oportunidades diferentes, graças ao mandato de senador. Outros benefícios relatados nos autos foram viagens em aeronaves particulares, garrafas de bebida de alto valor e eletrodomésticos de luxo. Em troca, o senador patrocinava interesses de Cachoeira e Cláudio Abreu. Um relatório da investigação feita pela Polícia Federal e pelo Ministério Público afirma que os dois “ofereceram quantia em dinheiro para que determinasse o pagamento de um crédito de 20 milhões de reais da Construtora Queiroz Galvão, que a Delta Construtora tencionava comprar”.

O documento tem por base um diálogo captado em 22 de março de 2011 entre Cachoeira e Cláudio Abreu, parceiro do contraventor incumbido de tocar outro braço da máfia que, paralelamente à jogatina, se especializara em fazer contratos com governos. Na conversa, fala-se de um milhão de reais que teriam sido depositados na conta do senador como parte de um acerto de 3,1 milhões de reais.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Normival Matos

    Estou indignado com tanta falta de moral e lealdade de meia dúzia de ministros totalmente covarde, que merecem ir para a prisão perpétua mauditos…mais ainda tenho esperança de vê homens e mulheres do bem, liderar os três poderes para que possamos ter justiça na terra.

    Curtir

  2. Alair Henrique

    E as ratazanas do STF voltam a atacar novamente… desgraçados…

    Curtir