Clique e assine a partir de 8,90/mês

SP mudará forma de investigar agentes de segurança pública

A medida é iniciativa da secretaria de Segurança Pública do estado e tem como objetivo dar mais celeridade aos crimes que envolvam policiais

Por Da Redação - 18 mar 2015, 13h03

O secretário estadual da Segurança Pública de São Paulo, Alexandre de Moraes, afirmou na terça-feira que vai alterar o procedimento de investigação para casos que envolvam agentes de segurança pública. A resolução deve ser publicada nesta sexta-feira, e passará a valer a partir da próxima semana.

Na prática, a medida tornará obrigatória a presença da Polícia Civil, da Polícia Militar e das corregedorias nas cenas de homicídios que envolvam agentes, sejam eles autores ou vítimas. Nesses casos, o Ministério Público também deve ser comunicado imediatamente, mas vai ficar a critério do órgão decidir se é necessário enviar um promotor de Justiça ao local.

Leia também:

SP: polícia recupera 13,5 toneladas de dinamite roubada

Bate-boca atrasa de novo votação da maioridade penal

PF desmonta quadrilha que fraudou a Caixa em R$ 100 mi

A resolução deve valer para ocorrências que estejam relacionadas a policiais militares, policiais civis, policiais federais, agentes penitenciários, membros da Fundação Casa e guardas-civis. “(O objetivo é) dar mais celeridade aos crimes praticados contra policiais e total transparência aos eventuais conflitos em que a morte é gerada por um policial”, explicou o secretário.

Continua após a publicidade

Ainda de acordo com ele, a medida não é especificamente voltada para “diminuir a letalidade policial”, mas estaria “relacionada” a ela. No ano passado, 694 pessoas morreram em confrontos com policiais militares, segundo dados da própria secretaria. No mesmo período, catorze oficiais morreram em serviço.

Confronto – Na madrugada de terça-feira, moradores do Glicério, no centro da capital paulista, entraram em confronto com a PM após um suspeito ser morto a tiros na região.

Os manifestantes bloquearam a Rua dos Estudantes e dois carros foram incendiados no local. Segundo a polícia, o suspeito de roubo de carro tentou fugir durante uma abordagem e entrou na pensão onde morava, na esquina com a Rua Egas Muniz Aragão. A polícia afirma que ele resistiu à voz de prisão e disparou quatro vezes contra os PMs. Na troca de tiros, foi atingido e morreu no local. Com ele, foram apreendidos dois revólveres, um calibre 38 e outro 32.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade