Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

SP: 78 são presos em protesto do Movimento Passe Livre

PM diz que coronel foi agredido e teve a pistola roubada por "criminosos travestidos de manifestantes"

Por Da Redação
25 out 2013, 22h36

O protesto convocado pelo Movimento Passe Livre (MPL) na noite desta sexta-feira terminou em quebra-quebra. Setenta e oito pessoas foram detidas. O coronel da Polícia Militar Reynaldo Rossi, comandante da corporação no centro da cidade, ficou ferido na cabeça. Segundo nota oficial da PM, ele foi agredido e teve o radiocomunicador e a arma, uma pistola .40, roubados por “criminosos travestidos de manifestantes”. A polícia acusa os black blocs de tentar matar o coronel Rossi. O oficial “teve a clavícula quebrada e muitas escoriações na região da face e cabeça, sendo socorrido ao Hospital das Clínicas juntamente com seu auxiliar, soldado da PM que teve ferimentos e passa por atendimento médico”, informa o comunicado.

As detenções foram feitas depois do quebra-quebra que tomou conta do Terminal Parque Dom Pedro II, no centro de São Paulo, onde mascarados atearam fogo em ônibus e depredaram catracas, bilheterias e caixas eletrônicos. Em seguida, os vândalos atacaram a subprefeitura da Sé, na rua Álvares Penteado. A estação de ônibus foi liberada por volta das 22 horas, de acordo com a SPTrans. Segundo a PM, alguns mascarados roubaram cerca de 1.500 reais de uma cabine de venda de bilhetes. Cerca de quinze caixas eletrônicos foram danificados.

Leia também:

Black Bloc adota o terrorismo digital

Protesto na Barra teve mais black blocs que petroleiros

Protesto – Os manifestantes se concentraram na Praça Ramos, em frente ao Theatro Municipal, por volta das 19 horas, e saíram de forma pacífica rumo ao Largo São Francisco; cerca de 600 pessoas e 100 black blocs formavam o protesto que reivindicou “tarifa zero” para o transporte público. De acordo com a PM, alguns manifestantes levaram crianças.

Continua após a publicidade

O confronto com a polícia teve início quando o protesto chegou ao Terminal Parque Dom Pedro II, onde vândalos incendiaram ônibus e quebraram dezenas de caixas eletrônicos e lojas. As bilheterias do terminal também foram destruídas e pichações foram feitas em plataformas e ônibus.

Ao todo, o protesto reuniu cerca de 3.000 pessoas, de acordo com a PM. Este é o quarto protesto promovido pelo MPL nesta semana. Os três anteriores ocorreram na periferia da Zona Sul por melhorias no transporte público da região.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.