Sobe para três as vítimas fatais de explosão de barco no Acre

Um bebê de oito meses e um homem de 33 anos morreram neste sábado; polícia diz que transporte de combustível era ilegal

Por Da Redação - 15 jun 2019, 21h06

Duas pessoas feridas pela explosão de um barco no rio Juruá, em Cruzeiro do Sul (AC), morreram neste sábado, 15. Entre elas, um bebê de oito meses, Yohana Santos Conceição, e Antônio José Oliveira da Silva, de 33 anos, que havia sido transferido para o Hospital João XXIII, de Belo Horizonte (MG). O acidente ocorreu no dia 7 de junho, quando a embarcação transportava 5.000 litros de combustível, além dos 18 passageiros.

Até o momento, o total de vítimas fatais chega a três. A mãe de Yohana, Marluce Silva dos Santos, de 38 anos, morrera na última terça-feira 11, em função de queimaduras graves. O bebê moreu no final da manhã deste sábado no Sábadono Hospital da Criança, em Rio Branco. Estava internada na UTI e não resistiu a duas paradas cardíacas e aos ferimentos que sofreu. Silva morreu na madrugada deste sábado. Ele estava internacionado em estado clínico classificado como “gravíssimo”.

A maioria dos 18 passageiros sofreu queimaduras em 90% dos seus corpos. Onze deles foram transferidos para hospitais em Brasília, Goiânia e Belo Horizonte. Continuam internados no Hospital João XXIII, na capital mineira, cinco passageiros: Valdir Torquato da Silva, 51 anos; Francisco Luna dos Santos, 46 anos; José Ortenízio Souza da Conceição, 39 anos; Umberto da Conceição de Oliveira, 38 anos, e uma criança de 4 anos, que passou por dois procedimentos cirúrgicos e segue em tratamento.

Segundo o delegado Lindomar Ventura, da Delegacia Central de Cruzeiro do Sul, o barco estava ancorado e fazia o abastecimento dos galões de combustível quando houve a explosão. O Barco tinha autorização para navegar. Mas o transporte de combustível, juntamente com mercadorias e passageiros, é irregular.

Publicidade

A Polícia Civil continua o trabalho de investigação. Uma das prioridades do momento é identificar o dono do caminhão que operava o abastecimento do barco na beira do Rio Juruá.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade