Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

“Situação de guerra”, diz governador do Rio sobre catástrofe em Petrópolis

Temporal na noite de ontem deixou 94 mortos e atingiu ao menos 50 casas; 21 pessoas foram resgatadas com vida

Por Marina Lang Atualizado em 16 fev 2022, 20h36 - Publicado em 16 fev 2022, 15h25

As fortes chuvas, as enchentes e os deslizamentos em Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro, deixaram a cidade em estado de calamidade pública: já são 94 mortos, 377 desabrigados e ao menos 50 casas atingidas, segundo divulgou o governo fluminense no começo da tarde desta quarta-feira, 16. Outras 21 pessoas foram resgatadas com vida. As ações de resgate acontecem desde ontem à noite e o governador Cláudio Castro (PL) acompanha a tragédia no local. Mais de mil profissionais do estado atuam na região – 500 deles são bombeiros trabalhando em 44 pontos atingidos pelo temporal. Não se sabe, ainda, a quantidade exata de pessoas desaparecidas. 

É uma situação quase que de guerra. Toda a nossa equipe está mobilizada: Corpo de Bombeiros, secretarias e demais órgãos do estado. Atuamos no resgate e salvamento de vítimas, desobstruindo estradas, atendendo pessoas que perderam seus bens, com medicamentos e remoções”, disse o governador no Morro da Oficina, onde os bombeiros acreditam que há o maior número de vítimas.  

O secretário de Estado de Defesa Civil, coronel Leandro Monteiro, informou que um hospital de campanha com dez leitos foi instalado para prestar os primeiros socorros às vítimas. O governo informou ainda que são 20 caminhões, 20 retroescavadeiras, 10 escavadeiras hidráulicas, 5 caminhões vacoll e 10 carros pipas mobilizados no resgate. Mais de 180 pessoas que moram em áreas de risco foram acolhidas.

Ainda de acordo com o governo, equipes da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos trabalham no cadastramento das famílias desalojadas e desabrigadas. O Núcleo de Assistência ao Cidadão (NAC) viabiliza documentação para a população que perdeu seus bens.

Os batalhões da Polícia Militar funcionam como pontos de recolhimento de donativos para as vítimas da chuva em todo o estado. Em nota, o governo afirmou que água mineral e itens de higiene pessoal são necessários neste momento. 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês