Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Sérgio Cabral evita falar sobre acidente com bonde

Por Da Redação 29 ago 2011, 19h58

Por Alfredo Junqueira, Fábio Grellet, Tiago Rogero, Kelly Lima

Rio de Janeiro – O governo do Estado do Rio de Janeiro está tentando se eximir da responsabilidade sobre o acidente com o bondinho de Santa Teresa e jogar a culpa pela tragédia no condutor do veículo, Nelson Correia da Silva, 57 anos. Com 35 anos de experiência e personagem querido do tradicional bairro do centro do Rio, o motorneiro foi um dos cinco mortos no acidente, que deixou outros 57 feridos, 13 ainda internados em hospitais da cidade.

O secretário estadual de Transportes, Julio Lopes, alegou ontem que o bonde havia colidido com um ônibus menos de uma hora antes do acidente. O veículo chegou a ser levado para a oficina, mas, segundo o secretário, Silva continuou conduzindo-o mesmo sem fazer nenhum reparo.

No Espírito Santo para participar de evento sobre royalties do petróleo, o governador Sérgio Cabral (PMDB) se recusou a falar sobre o acidente, encerrando uma entrevista coletiva quando foi questionado sobre o assunto. A assessoria de imprensa chegou a solicitar que os repórteres não fizessem perguntas sobre a tragédia. “Quem poderá apontar o culpado é a polícia. Por enquanto, tudo o que sabemos é o que foi registrado por escrito (no livro de ocorrências dos bondes)”, disse Lopes.

Depois da coletiva, nota da Secretaria de Transportes informou que foram feitos investimentos de R$ 14 milhões no sistema de bondes desde 2007. A pasta insiste que está fazendo serviços de manutenção da frota e da rede. O serviço está interrompido desde sábado, sem previsão de ser retomado.

A tentativa de culpar o motorneiro morto não deve surtir efeito. Ontem, ao instaurar um inquérito civil para apurar o caso, o promotor de Defesa do Consumidor e do Contribuinte da Capital, Carlos Andresano, foi taxativo ao afirmar que a responsabilidade é do Estado, que administra o sistema de bondes pela Companhia de Engenharia de Transportes e Logística (Central).

“A responsabilidade deles diante do fato para mim já está estabelecida”, afirmou Andresano. “Tratando-se de uma atividade de transporte, a responsabilidade é objetiva. Independentemente de haver culpa de quem quer que seja, a responsabilidade é do transportador”, disse o promotor, que vai convocar Lopes para depor.

Segundo o delegado Tarcísio Jansen, titular da 7ª DP (Santa Teresa), os responsáveis pelo acidente serão indiciados por homicídio culposo (quando não há intenção de matar) e lesão corporal culposa. Ele espera que o laudo pericial do Instituto de Criminalística Carlos Éboli fique pronto em 15 dias. Ontem, vereadores do Rio pediram ao Ministério Público que denuncie Lopes por homicídio doloso.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)