Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Sem redutores de pressão, Sabesp já corta água durante o dia em 40% da rede

A empresa afirma que apenas nas áreas mais altas há problemas de abastecimento

Por Da Redação 7 fev 2015, 14h26

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) já fecha o registro de 40% da rede de distribuição de água da Grande São Paulo. A manobra é feita manualmente, na rua, por técnicos da empresa nas regiões onde não há válvulas redutoras de pressão (VRPs) instaladas, e deixa parte da tubulação despressurizada, provocando cortes no abastecimento. O fechamento completo das redes em vários pontos da Grande São Paulo foi informado ao jornal O Estado de S. Paulo por dois funcionários da Sabesp responsáveis pela manobra e confirmado por um integrante do alto escalão da empresa.

“Nós temos 60% da rede da Região Metropolitana controlada pelas VRPs. Sobra 40% da rede. Nessas áreas, nós precisamos fazer as manobras na rua. Não tem jeito. Uma parte da cidade acaba sendo fechada”, disse o dirigente.

Leia também:

Nível de água no Cantareira sobre pelo 2o. dia consecutivo

Governo de SP prepara pacote com 8 obras para enfrentar crise hídrica

Um dos locais afetados fica perto do cruzamento das ruas Parapuã e Tiro ao Pombo, na Brasilândia, zona Norte. “Todo dia, uma equipe nossa vai lá, por volta das 13h, fechar a válvula. Não é redução de pressão. A gente fecha mesmo, e só abre no dia seguinte”, disse um dos funcionários. Conhecidos como manobristas, eles dizem ser hostilizados por moradores. A Brasilândia é abastecida pelo Sistema Cantareira.

Em seu site, a Sabesp informa que o bairro é afetado pela redução da pressão. Segundo a empresa, a medida é praticada na região entre 13h e 5h, horário que coincide com o período em que os manobristas afirmam fechar completamente a rede.

Continua após a publicidade

Pressão – Revelada pelo jornal O Estado de S. Paulo em abril de 2014, a redução da pressão é responsável por mais de 50% da economia de água obtida durante a crise hídrica, segundo a Sabesp. São 1.500 VRPs que auxiliam a reduzir as perdas por vazamentos. A medida foi intensificada em meados do ano passado. Até o início deste ano, as regiões afetadas eram omitidas pela empresa.

Os equipamentos são acionados remotamente de uma central de comando da Sabesp, que pode controlar a pressão da água nos bairros. Pela norma técnica, ela deve oscilar entre 10 e 50 metros de coluna d’água, o que indica a altura que a água alcança só com pressão da rede. Mas, como em 40% da rede de distribuição essa operação não pode ser feita, a Sabesp passou a fechar os registros.

De acordo com o dirigente ouvido pelo jornal, nesses locais as regiões mais altas podem ficar com a rede despressurizada e, em alguns pontos, a água atinge entre 1 e 2 metros da coluna d’água. “Nesse tempo em que está fechada, a maior parte da rede ainda fica com água e, quando é aberta, ela se restabelece rapidamente. Agora, quando o consumo é maior, acaba despressurizando pontos mais altos.”

Rede de distribuição – Em outubro, em depoimento na CPI da Sabesp na Câmara, a ex-presidente da companhia, Dilma Pena, disse que a empresa considera racionamento apenas quando a rede de distribuição está sem pressão, fato que ela negou ocorrer à época.

A Sabesp afirma, em nota, que “lamenta o fato de ter sido acionada pelo jornal às 21h52 para esclarecer um assunto dessa importância para um real esclarecimento da população. Isso posto, a empresa afirma que parte da gestão da demanda é feita por VRPs e parte por manobras manuais”.

A Sabesp diz ainda que “a pressão na rede é mantida. Apenas nas áreas mais altas é que há problemas no abastecimento por conta desta gestão de demanda”.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade