Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Sem ar-condicionado, aeroportos do Rio viram saunas

Em dias de calor recorde na cidade, Tom Jobim e Santos Dumont apresentam falhas no sistema de refrigeração, e passageiros sofrem

Por Pâmela Oliveira, do Rio de Janeiro 27 dez 2012, 17h53

Não é apenas para as praias do Rio de Janeiro que o verão está levando recordes de calor. Os dois aeroportos da cidade também estão registrando temperaturas muito acima do normal, devido a falhas no sistema de refrigeração.

No Tom Jobim, o apagão que durou cerca de uma hora na noite de quarta-feira elevou nesta quinta a marcação dos termômetros, que geralmente não ultrapassam os 25°C. O problema ainda era consequência da falha na subestação de energia. De acordo com a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), o sistema de refrigeração foi a último a voltar a funcionar após o incidente. Passageiros e funcionários das empresas aéreas tiveram de improvisar com leques e ventarolas para tentar amenizar o forte calor no saguão.

Também nesta quinta, a presidente Dilma Rousseff comentou em Brasília o apagão do aeroporto internacional por onde circulam diariamente cerca de 52.000 passageiros: “O sistema elétrico inteirinho do Galeão tem que ser trocado, tanto é que está licitado. Teve uma sobrecarga por conta do ar-condicionado, que chegou a 46°C e é velho. Então, é falha humana, porque você tinha que ter trocado. Você tinha que ter se antecipado que temperatura ia subir, você tinha que ter trocado”.

Mais falhas – No Santos Dumont, o problema se repete há pelo menos duas semanas. A temperatura média do local, que fica geralmente em 22°C, chegou a 28°C na tarde desta quinta, no saguão de passageiros. Na sala de embarque, os termômetros marcavam 27º. Apesar disso, a Infraero afirmou em nota que o sistema de ar condicionado já está operando normalmente no aeroporto por onde passam cerca de 25.000 pessoas por dia.

A Infraero informa ainda que o primeiro problema no sistema de refrigeração foi corrigido no domingo passado. Na tarde de quarta-feira, outra falha foi constatada e, de acordo com a empresa, também corrigida. Também segundo a Infraero, um equipamento de refrigeração extra foi alugado para reforçar a climatização do terminal de passageiros.

Continua após a publicidade

A Polícia Federal investiga se houve má aplicação do dinheiro público na manutenção da rede elétrica e no sistema de ar condicionado dos dois aeroportos cariocas. Agentes fizeram vistorias no Galeão e tiraram fotos da parte que está sendo reformada.

Temperatura – Nesta quinta, a temperatura máxima na capital caiu quase seis graus, não passando de 37,3°C, informa o Climatempo. Um alento para os 43,2°C registrados na quarta – o dia mais quente da história da cidade. “Esta madrugada foi uma das mais quentes do ano no Rio, com 29,5°C. Há dez anos, a média registrada às 6 horas na cidade é de 23,5°C”, destaca o meteorologista Marcelo Pinheiro.

Leia também:

Rio de Janeiro tem o dia mais quente da história

Continua após a publicidade

Publicidade