Clique e assine com até 92% de desconto

Seguranças ensaiam rígido esquema de proteção ao STF

Por Da Redação 1 ago 2012, 19h59

Por Fausto Macedo e Christiane Samarco

Brasília – Homens literalmente de preto ensaiaram nesta quarta um rígido esquema de proteção ao Supremo Tribunal Federal. Quarenta deles, de terno, gravata e rádios de comunicação, passaram boa parte da tarde fazendo deslocamentos ao redor da Corte. A meta é conter eventual aproximação de militantes e impedir que manifestações ruidosas prejudiquem os trabalhos dos ministros entretidos com o mensalão.

Os agentes que permanecerão no Plenário integram os quadros do próprio Supremo. O efetivo encarregado da blindagem do prédio é da segurança privada. Também será destacado um contingente da Polícia Militar que já está a postos. O Corpo de Bombeiros manterá unidades de plantão para eventuais emergências.

O presidente do STF, Carlos Ayres Britto, chegou a solicitar ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, pessoal da Força Nacional de Segurança para blindar a corte durante o julgamento.

O pedido, porém, provocou mal-estar no Palácio do Planalto, que viu exagero na solicitação. A presidente Dilma Rousseff quer manter distância do julgamento para evitar que a crise do governo Lula respingue em sua administração.

Cardozo disse a Britto que o ofício deveria ser encaminhado ao governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz. O presidente do STF desistiu da Força.

Continua após a publicidade
Publicidade