Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Seca: Rio Grande do Sul decreta emergência coletiva

Subiu para 107 o número de cidades em emergência por causa da estiagem. A decisão do governo gaúcho busca agilizar liberação de verbas federais e renegociação das dívidas dos agricultores com os bancos

Por Bruno Huberman 9 jan 2012, 11h43

O governo do Rio Grande do Sul decidiu decretar situação de emergência coletiva em todo o estado depois de chegar a 107 o número de cidades que decretaram situação de emergência por causa da estiagem. O coordenador da Defesa Civil, major Ari Ferreira, explica que essa decisão tem o objetivo de agilizar o processo de renegociação das dívidas dos agricultores que perderam suas lavouras com os bancos e também a liberação de verbas federais.

“O decreto estadual contempla todos os municípios que encaminharam decreto de emergência”, afirma o major. Os bancos exigem a apresentação do decreto do município onde está localizada a plantação para o agricultor acessar o seguro ou negociar a dívida. Segundo o major Ferreira, as áreas mais afetadas pela falta de chuva são Botucaraí, Planalto, Produção e Alto Jacuí. Boletim divulgado nesta segunda-feira pela Defesa Civil estima que 452.099 pessoas tenham sido afetadas até agora. Outros 34 municípios também foram castigados pela seca, mas ainda não entraram em emergência.

Nesta segunda-feira, o vice-governador do estado, Beto Grill (PSB), assina o Decreto de Emergência Coletivo em Boa Vista das Missões, no interior gaúcho, uma das cidades atingidas pela seca. A decisão de colocar todo o estado em situação de emergência foi tomada no final da semana passada em reunião do grupo de trabalho do governo do Rio Grande do Sul, que reúne várias secretarias e busca minimizar os efeitos da estiagem. O decreto deve ser encaminhado ao Ministério da Integração Nacional ainda nesta segunda.

Seca – A estiagem é provocada pela interrupção do canal de umidade vindo da Amazônia – que ficou parado na Região Sudeste e gerou as fortes chuvas na região – e pelo fenômeno La Niña, que esfria a água no Oceano Pacífico, diminuindo a evaporação da água e aumentando a seca.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)