Clique e assine a partir de 9,90/mês

Romário quer demissão imediata de Ricardo Teixeira

Em entrevista exclusiva ao site de VEJA, ex-jogador diz que os brasileiros devem se manifestar contra quem faz mal ao futebol

Por Luciana Marques - Atualizado em 10 dez 2018, 10h55 - Publicado em 6 jan 2012, 10h01

“Se continuar do jeito que está, o Brasil vai passar talvez a maior vergonha da história de todas as Copas do Mundo”

Camisa 11 da seleção brasileira na Copa de 1994, Romário não tem papas na língua. Mesmo depois de assumir mandato como deputado federal pelo PSB do Rio de Janeiro, ele não deixou de falar palavrões, nem de criticar os integrantes do alto escalão do futebol brasileiro. Seu alvo, em especial, é o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira. Em entrevista exclusiva ao site de VEJA, Romário diz pela primeira vez – e com todas as letras – que defende a demissão do presidente da CBF. Caso Teixeira decida continuar no cargo, Romário quer uma intervenção da presidente Dilma Rousseff no órgão.

O mais recente dos incontáveis escândalos que rondam o presidente da CBF diz respeito ao recebimento de propina da agência de marketing ISL. A empresa anunciou falência em 2001 e se envolveu no pagamento ilegal de mais de 100 milhões de dólares a representantes da Federação Internacional de Futebol (Fifa).

Na entrevista, o ex-jogador critica as exigências da federação para a Copa do Mundo de 2014 e diz que o Brasil pode passar o maior vexame da história do mundial, tendo em vista os atrasos nas obras. Romário diz ainda que a seleção brasileira não venceria o torneio, se ela ocorresse hoje, e que Neymar não pode ser comparado a Pelé.

Continua após a publicidade

Assista abaixo vídeo em que Romário responde ao site de VEJA sobre o que falta para a Copa 2014, a ser sediada pelo Brasil. Em seguida, leia trechos da entrevista concedida pelo deputado.

O senhor defende o afastamento de Ricardo Teixeira da CBF diante das suspeitas de corrupção? Em algumas instituições, o estatuto dá margem para que o presidente fique eternamente no cargo. Infelizmente, a CBF é assim. Ricardo Teixeira é uma pessoa a quem temos de agradecer. Ele trouxe a Copa do Mundo ao Brasil. Mas hoje ele enfrenta vários problemas de corrupção. Tem problemas com a Fifa, tem processos no Rio, no Brasil, fora do Brasil, dentro da Fifa, fora da Fifa, na CBF, no Comitê Organizador Local da Copa. Se ele deixasse a CBF agora, para ele seria até bom, porque resolveria isso definitivamente – e logo. Ricardo Teixeira acha que não deve sair porque nada foi comprovado, e isso é verdade. Mas enquanto não é provado que ele cometeu algum tipo de crime, sou a favor que ele deixe a CBF.

E se ele não pedir demissão? A única forma seria a intervenção do governo federal. Mas hoje o presidente da CBF é o Ricardo Teixeira e a gente querendo ou não querendo, felizmente ou infelizmente, tem de conviver com isso. O Brasil deve ter pensamento positivo e organizar manifestações contra aqueles caras que fazem mal ao nosso futebol, como o Ricardo Teixeira, por exemplo, na opinião de todo mundo.

Continua após a publicidade

Ronaldo, ao se tornar integrante do Comitê Organizador Local da Copa (COL), virou laranja do Ricardo Teixeira? Não sei se a palavra é laranja, mas eu não aceitaria o cargo nas condições de hoje. Ronaldo é um cara de credibilidade, tudo o que fez na vida deu certo. Acredito que, nessa chegada ao COL, ele possa dar novas ideias, outra cara ao comitê. Com certeza isso vai ajudar também no andamento da Copa do Mundo.

Por que o senhor não aceitaria ocupar o cargo? As coisas no COL infelizmente não estão totalmente definidas. Eu esperaria primeiro uma auditoria e, de posse dela, tomaria essa decisão. Mas o Ronaldo achou diferente e vai ter em mim um deputado, ex-companheiro e cara que gosta dele para ajudá-lo sempre, desde que faça o que é certo.

O que falta na preparação do Brasil para a Copa de 2014? Tudo. O Brasil tem problema nos estádios, nos aeroportos, na mobilidade urbana. O Brasil não está fazendo uma Copa que vai deixar legado para a saúde, para a educação, para a acessibilidade. Estamos realmente 100% atrasados e infelizmente não existe, por parte dos órgãos competentes, nenhum tipo de ação para que isso se modifique.

O Brasil passará vexame? Se continuar do jeito que está, vai passar talvez a maior vergonha da história de todas as Copas.

Continua após a publicidade

Por causa do time ou da infraestrutura? Acredito que pelo time não tanto, nem pelos estádios, já que muitos devem ficar prontos a tempo. Mas principalmente pelos aeroportos, pela rede hoteleira e pela mobilidade urbana. O trânsito é um caos em qualquer cidade na saída e no retorno de um feriado prolongado.

O que o senhor acha das exigências da Fifa para o mundial do Brasil? Não concordo com nenhum dos pontos exigidos pela Fifa. Entre os que são totalmente desfavoráveis ao brasileiro estão o preço dos ingressos e a falta de respeito a alguns estatutos como o do torcedor, o do consumidor, o do idoso, o da juventude. Essa coisa de vender álcool fora e dentro do estádio, essa coisa de você comprar ingresso e, não indo, poder ser multado. A Fifa está querendo ter poderes no país a que ela não tem o direito como empresa particular. Ela vai ter seus lucros, vai pagar seus impostos, vai embora e vai deixar o Brasil assim. Com o adiamento da votação da Lei Geral da Copa para fevereiro, acredito que a gente possa pensar com mais calma e melhor no assunto. E depois, se a Fifa aceitar, aceitou. Se não, vai ter a Copa assim mesmo, não tem jeito.

O senhor jogaria no time de Ricardo Teixeira? Ultimamente, não tenho jogado nem mais nas minhas peladinhas. Não tenho mais condição física de jogar na Copa do Mundo. Inclusive não é o Ricardo Teixeira que escala os jogadores. O presidente escolhe o treinador – e muitas vezes escolhe errado. Poderíamos ter muito mais títulos do que hoje. Os treinadores errados é que acabam escolhendo os jogadores errados. Por isso nossa seleção tem sido tão ruim nesses últimos tempos.

Está se referindo a Dunga? Pelo contrário, acho que ele foi um dos grandes treinadores que esteve na seleção. Jogadores que as pessoas pediram para Dunga levar para a Copa participaram da última Copa América. E o Brasil foi eliminado na primeira fase. Então não era bem o Dunga que estava errado.

Continua após a publicidade

A seleção brasileira está preparada para vencer a Copa de 2014? Não. O Brasil, com o time que tem, não está preparado nem para passar da primeira fase. Tem que modificar os jogadores ou a forma de jogar, a parte tática. Eu convocaria de 60% a 70% dos jogadores que Mano vem convocando. A coisa não funciona, o time não anda. Falta treino e tempo para os jogadores se conhecerem.

Qual time o senhor escalaria para a Copa? Júlio César, Tiago Silva, Neymar e Lucas são hoje, para mim, os jogadores principais. O goleiro até o ano passado tinha sido o melhor do mundo e nesse ano também está entre eles. Tiago Silva é o maior zagueiro que apareceu no futebol mundial nos últimos cinco anos. Ganso, depois de Zico, é um jogador com uma inteligência acima da média. E Neymar é o que é o futebol brasileiro: técnica, vontade, coragem, disposição. Tudo aquilo que o torcedor brasileiro gosta de ver em um jogador.

Neymar pode ser comparado a Pelé? Não, o próprio Neymar sabe que ele está longe de ser o Pelé. Ele tem que ter muitas vitórias ainda. Ninguém vai conseguir ser um Pelé, principalmente no futebol de hoje. Mas Neymar com certeza tem condição de chegar muito longe.

Como avalia a derrota do Santos para o Barcelona em dezembro? Neymar e muitos outros desses que falei participaram da Copa América, que foi um vexame. A seleção acabou não indo bem e, depois, veio a queda do Santos. Realmente há dias no futebol em que as coisas não acontecem. Isso não significa que o time do Santos seja ruim. Jogou mal, mas não era o dia e o Barcelona aproveitou as oportunidades que teve. Todos nós já sabíamos que o Barcelona era muito mais time, tinha entrosamento há muito mais tempo, porque os jogadores se preparam de uma forma diferenciada da nossa. Mesmo tendo perdido por quatro gols e apesar de muitos dizerem que foi uma vergonha, o Santos foi lá e tentou fazer aquilo que tinha que fazer. Infelizmente, não aconteceu.

Publicidade