Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Rogério Rosso é o novo governador do Distrito Federal

Por Da Redação 17 abr 2010, 16h44

O candidato do PMDB Rogério Rosso foi eleito neste sábado o novo governador do Distrito Federal. Ele derrotou o governador em exercício, o deputado Wilson Lima (PR), além do professor Antônio Ibãnez (PT) e do petebista Luiz Filipe Coelho. Rosso assumirá em definitivo até o fim do ano, em substituição ao ex-governador José Roberto Arruda, cassado pela Justiça Eleitoral após envolver-se em um escândalo de corrupção.

A eleição na Câmara Legislativa do DF começou pouco depois das 16h, com confusão do lado de fora do plenário. Manifestantes entraram em confronto com a polícia e pelo menos um estudante foi ferido na cabeça. Oito deputados investigados no mesmo inquérito que Arruda, conduzido pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), participaram da eleição. Dez candidatos chegaram a se inscrever, mas apenas quatro participaram da votação em razão de algumas desistências.

Rosso obteve 13 votos dos integrantes da Câmara Legislativa, e acabou eleito em primeiro turno, uma vez que conseguiu o apoio de mais da metade dos 24 deputados distritais. A vice governadora é é Ivelise Longhi (PMDB). Ambos tomam posse na próxima segunda-feira. O petista Antonio Ibãnez ficou em segundo lugar com seis votos, e o deputado e governador em exercício, Wilson Lima (PR), teve quatro votos.

O novo governador contou com o apoio do PMDB, PPS, DEM e até mesmo de parte do PR, cujo candidato era Lima. As negociações ultrapassaram a madrugada e continuaram até o início desta tarde. O deputado federal Alberto Fraga (DEM), pré-candidato ao governo nas eleições de outubro, reuniu-se com vários partidos em sua casa em Brasília. O seu partido, o DEM, legenda pivô do escândalo de corrupção, decidiu não lançar candidato.

Suplente de deputado federal, Rogério Rosso, 41 anos, foi presidente da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan) na gestão de Arruda – esse era o órgão presidido por Durval Barbosa, pivô do escândalo do mensalão do DEM. O órgão é investigado pelo inquérito sobre o esquema de corrupção na cidade. Rosso já foi aliado do ex-governador Joaquim Roriz, ocupando um cargo de administrador regional no DF. Hoje, mudou de lado e aliou-se ao deputado federal Tadeu Filippelli (PMDB), que dirige o PMDB de Brasília.

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) declarou em março a perda do seu porque Arruda desfiliou-se do DEM em dezembro. Na época ainda preso na cela da Polícia Federal, Arruda decidiu não recorrer e abriu mão do cargo de governador. A Constituição determina, nesse tipo de caso, eleições indiretas pela Câmara Legislativa.

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês