Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Rio tem nove cidades em alerta por causa da chuva

Segundo a Defesa Civil do estado, há 202.400 pessoas afetadas pelas chuvas e 2.576 desalojadas ou desabrigadas

Por Cecília Ritto 4 jan 2013, 19h50

A previsão de redução nas chuvas sobre o estado do Rio de Janeiro no fim de semana é um alívio para a população das cidades afetadas pelos temporais desta semana. Mas o cenário ainda é de preocupação. De acordo com a Defesa Civil estadual, o acúmulo de água e os terrenos encharcados – somado ao período de maré alta, com a lua cheia, que dificultam o deságue dos rios – ainda trazem risco de deslizamentos e cheias. O balanço da situação das nove cidades que tiveram estragos, divulgado na tarde de sexta-feira, era de 202.400 pessoas afetadas pelas chuvas de 2013. Estão fora de casa, desalojadas (com casas em área de risco) ou desabrigadas (perderam suas moradias), 2.576 pessoas.

Há uma pessoa desaparecida: um homem de Xerém, Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. A criança residente de Nova Iguaçu, também na Baixada, que, segundo a mãe, sumiu quando estava à beira de um canal, foi encontrada viva nesta sexta. Duas pessoas morreram por causa do temporal. Uma em Xerém, na quarta-feira, e outra na capital, nesta sexta, atingida por uma árvore.

Das regiões atingidas pelas chuvas, a Serra é a maior preocupação da Defesa Civil para o fim de semana. “Temos duas preocupações: reestabelecimento e socorro. Precisamos reestabilizar principalmente Duque de Caxias e Belford Roxo, na Baixada. Em relação ao socorro, é necessário olhar para a Serra com cuidado. Há o risco de escorregamento em encostas e nós temos muita gente residindo nesses locais. Pedimos que as pessoas confiem no sistema de alerta e alarme nas cidades serranas. E que saiam de casa quando as sirenes soarem”, disse o coronel Luiz Guilherme, superintendente da Defesa Civil estadual.

Segundo o coronel, é provável que o sistema de alerta e alarme – que, através de um sinal sonoro, avisa as pessoas para deixarem suas moradias – seja implantado este ano na Baixada Fluminense. “Existe um projeto para ampliar esse sistema para as mais 67 cidades do Rio que foram mapeadas pelo estado. A partir de 2013, isso deve acontecer”, disse Luis Guilherme.

Outro local de preocupação é Angra dos Reis, na Costa Verde, onde há um acumulado de 312 milímetros de chuva. “Qualquer chuva forte pode provocar deslizamentos por lá”, afirmou o coronel. Nesta sexta, Paracambi, na Baixada, entrou para a lista das cidades que precisam de maior atenção da Defesa Civil do estado. O município apresentou notificação preliminar de desastre depois de um alagamento pela manhã que deixou 30 desalojados e 40 afetados. Todos os quartéis das cidades atingidas pelas chuvas estão operando com reforço no contingente. “Se tivermos três dias sem chuvas, será um alívio”, disse o superintendente da Defesa Civil.

Continua após a publicidade

Leia também:

Governo do Rio investiu 37% da verba destinada a obras na Serra e na Baixada

Governo federal usou só 30% da verba para prevenir desastres

Governo maquia orçamento de prevenção a desastres

Chuvas: por que o Brasil não consegue evitar essa tragédia

Acúmulo de lixo agravou enchente em Duque de Caxias

Zeca Pagodinho, o sambista herói de Xerém

Continua após a publicidade

Publicidade