Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Rio: governo usa o Twitter para conter medo da população

Secretaria de Segurança recorre ao microblog para desmentir onda de boatos

Por Da Redação - 26 nov 2010, 06h58

A Secretaria de Segurança do Rio de Janeiro ocupou as redes sociais para tentar conter o medo e os boatos que se espalharam pelo estado desde o início da onda de ataques criminosos. O comandante da Polícia Militar, coronel Mario Sergio Duarte, já vinha respondendo a dúvidas e críticas de internautas.

Na tarde de quarta-feira, dos dez trending topics do Brasil (os assuntos mais comentados do Twitter), nove faziam referência aos confrontos no Rio, com as palavras-chave Penha, Rio e Beltrame, entre outras. Bope, Vila Cruzeiro e Penha também estavam entre os dez assuntos mais comentados no microblog em todo o mundo.

Foi quando o subsecretário de Segurança, Edval Novaes, fez um pronunciamento por câmera, no Twitter, depois de receber perguntas e mensagens de diversos internautas. Curiosamente, houve falha na transmissão, e o procedimento seria repetido para garantir audiência, o que não havia ocorrido até as 18h30.

O Twitter foi a principal plataforma escolhida pela Secretaria de Segurança. “Contem com esse canal para tirar dúvidas e obter dados oficiais”, foi uma das mensagens. Diante da informação, divulgada pela TV Globo, de que a próxima Unidade de Polícia Pacificadora seria instalada no Complexo do Alemão, a secretaria reagiu imediatamente: “Não há previsão de instalação de UPP no Complexo do Alemão e na Vila Cruzeiro, por causa da grande demanda de efetivo necessária para ocupar estas áreas”.

Publicidade

Diante da crítica de um internauta de que “o governo devia acabar com a ganância de arrecadar em blitz do IPVA, para se concentrar na bandidagem”, o comandante respondeu que a PM está “toda empenhada contra os criminosos”.

(Com Agência Estado)

No blog VEJA Acompanha, outras notícias sobre a onda de terror no Rio.

Publicidade