Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Retorno de imigrantes egípcios da Líbia tem efeitos negativos na economia

Por Da Redação 1 nov 2011, 10h59

Genebra, 1 nov (EFE).- O retorno ao seu país de cerca de 200 mil imigrantes egípcios que trabalhavam na Líbia tem efeitos negativos em regiões pobres do Egito, onde a população local está em situação vulnerável e de insegurança alimentar.

A Organização Internacional de Migrações (OIM) apresentou nesta terça-feira o resultado de uma pesquisa realizada entre os egípcios que abandonaram a Líbia a partir do março devido ao conflito entre as forças de Muammar Kadafi e os rebeldes.

A imigração egípcia era uma das mais numerosas na Líbia, com cerca de 1,5 milhão de pessoas.

A região correspondente ao Governo de Fayoum, uma das que mais recebeu os emigrantes egípcios e ao mesmo tempo é uma das mais pobres.

Com o retorno de seus imigrantes, Fayoum perdeu uma fonte vital de renda por remessas, que representavam a fonte de investimento privado mais importante tanto nas zonas rurais quanto nas urbanas do Egito e representava 5,3% do Produto Interno Bruto (PIB).

Muitas famílias egípcias recebiam uma quantia estimada de US$ 33 milhões anuais.

Continua após a publicidade

De acordo com o estudo da OIM, os egípcios necessitam agora de assistência para começar uma vida nova, pois 60% descartam voltar à Líbia ou emigrar para outro país.

A maioria planeja permanecer em sua terra natal, um desejo que em parte está relacionado com a esperança que uma transição democrática no Egito ajude o desenvolvimento econômico e gere empregos.

Outros confessaram em reuniões com colaboradores da OIM que as situações traumáticas que viveram na Líbia fizeram desistir de voltar a esse país.

Segundo a OIM, a assistência financeira é a alternativa mais realista para permitir que este grupo fique no país, já que é impossível que o mercado de trabalho egípcio absorva tal quantidade de mão de obra.

A economia egípcia está em depressão desde a revolução, com uma expectativa de crescimento inferior a 2% este ano, e uma paralisia parcial de setores-chave como o turismo e a manufatura.

Cerca de 600 mil trabalhadores em áreas vinculadas ao turismo, construção e serviços perderam seus empregos nos primeiros meses do ano.

A OIM acredita que a situação pode piorar com o eventual retorno de mais emigrantes egípcios que estão em outros países, como nos Emirados Árabes Unidos, onde se estima que há 95 mil e cujas autoridades decidiram recentemente não emitir mais vistos de trabalho nem permissões de residência para egípcios. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade