Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Reforma restitui a cor original ao Palácio Guanabara

Palacete do século XIX foi comprado por dom Pedro II para a princesa Isabel. Obra de 16 milhões de reais será concluída em julho

Por Da Redação 14 fev 2011, 13h04

Depois de um ano escondido atrás de tapumes, o Palácio Guanabara, sede do governo do Rio de Janeiro, exibe uma parte de sua nova fachada. A mudança mais visível para quem passa pela movimentada rua Pinheiro Machado é a recuperação da cor ocre original, em substituição ao bege claro. Mas a reforma, orçada em 16 milhões de reais, vai modernizar a infra-estrutura do palacete, construído na primeira metade do século XIX, e recuperar sua memória.

O palácio foi palco de momentos importantes da história do Brasil. Foi comprado por dom Pedro II para servir de residência à princesa Isabel e a seu marido, o conde d´Eu. Ali, em 1888, foi assinada a Lei Áurea, que aboliu a escravidão. Com a proclamação da República, passou a fazer parte do patrimônio da União e ganhou o nome atual.

Foi residência oficial dos presidentes do país entre 1926 e 1947, quando se tornou sede da prefeitura do Distrito Federal. Desde 1960, com a transferência da capital para Brasília, é a sede do governo estadual.

Cerca de cem especialistas são responsáveis pela reforma – a quinta e mais completa já feita no palacete – que deverá ficar pronta em julho. Estão sendo trocados telhados, forros, pisos, instalações elétricas e hidráulicas. No decorrer das obras, foram encontrados azulejos do século XIX e, também, pisos da época da escravatura. Essas descobertas ficarão visíveis em algumas áreas do palácio, protegidas por placas de vidro.

Continua após a publicidade

Publicidade