Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Quatro envolvidos em arrastão no Itaim-Bibi são presos

Assalto ao condomínio localizado na Rua Doutor Andrade Pertence já é o 20º registrado na cidade este ano

Por Da Redação 16 ago 2012, 13h00

A Polícia Civil de São Paulo prendeu nesta quarta-feira quatro participantes do arrastão que aconteceu na terça-feira no edifício Icaraí, no bairro Itaim-Bibi, região nobre da capital. As prisões foram feitas em áreas diferentes da cidade e um quinto suspeito continua foragido. Entre os presos, está um ex-funcionário do condomínio.

O arrastão aconteceu na madrugada de terça-feira, quando o grupo invadiu o prédio localizado na Rua Doutor Andrade Pertence. Os cinco homens armados renderam moradores do edifício, entre eles uma criança de 12 anos. Durante cerca de seis horas, eles roubaram dinheiro, joias e notebooks. Foram presos Tiago da Silva Lira e Jocimar Fernandes de Lima, ambos de 25 anos; o ajudante Cléber Flores, de 24 anos; e o ex-funcionário do prédio, Fábio Luis Sobral dos Santos, de 34 anos. Os quatro homens foram reconhecidos pelos moradores do edifício.

Segundo o delegado responsável pelas investigações, Mauro Fachini, da 4ª Delegacia do Patrimônio do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), Santos foi porteiro do condomínio e auxiliou o grupo com informações sobre os moradores do local. O grupo já era investigado há três meses, quando realizaram ataque semelhante em um edifício na Avenida Divino Salvador, em Moema, no dia 30 de abril.

Os policiais recuperaram algumas jóias e objetos que foram roubados e o material foi devolvido às vítimas. Mas, de acordo com a polícia, a maioria dos itens roubados foi vendida pelos criminosos. Todos os detidos apresentavam passagens por envolvimento com tráfico e consumo de drogas.

O delegado afirmou ainda que as apurações permitiram a descoberta de um esquema de falsificação de documentos de identidade mantido pela quadrilha. Em julho, um dos integrantes, identificado como Alexandre Ferreira da Silva, de 33 anos, chegou a ser preso com documento de identificação falso. O arrastão no edifício Icaraí foi o 20º ataque a condomínios registrado na capital paulista apenas este ano.

Continua após a publicidade

Outro caso – Na terça-feira, uma clínica de estética localizada na Alameda Jurupis, em Moema, também sofreu um arrastão. Por volta das 16h30, dois homens armados com uma pistola invadiram o local e levaram objetos de oito clientes e da proprietária. O bando fugiu do local no Kia Soul da dona do estabelecimento.

André Marcos da Cunha Martins, de 20 anos, e um adolescente de 17 anos foram presos na quarta-feira suspeitos de realizarem o arrastão. Eles circulavam na Avenida Yervant Kissajikia, na Vila Joaniza, Zona Sul, com o carro roubado no dia anterior, quando desobedeceram ordem de parada de policiais militares. Houve perseguição por cinco minutos. Ao render os suspeitos, os PMs encontraram no porta-malas bolsas e aparelhos eletrônicos, como iPads e iPhones.

O soldado Maurizio Perin, das Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicleta (Rocam), do 22.º Batalhão, contou que os acusados alegaram que as bolsas eram de suas mães. Ao identificar o veículo, o PM entrou em contato com a dona da clínica e, enquanto efetuavam o flagrante, enviou a foto dos dois suspeitos por mensagem. Eles foram reconhecidos imediatamente. Perin disse também que os dois detidos já têm passagem por roubo.

O soldado afirmou que a dupla foi audaciosa ao escolher os itens. “Os celulares das manicures eles nem quiseram, porque não eram smartphones”. No 27º Distrito Policial do Campo Belo, onde o caso foi registrado como roubo, o Boletim de Ocorrência (BO) registrava um prejuízo de 69 000 reias, entre dinheiro, objetos e eletroeletrônicos.

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade