Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PSB poderá ter candidato próprio no Recife

Por Angela Lacerda

Recife – O PSB não será mais um ator passivo na sucessão do Recife e poderá lançar nome próprio à prefeitura da capital. Quatro secretários estaduais de peso do governador Eduardo Campos – presidente nacional da legenda – se desincompatibilizaram dos cargos para serem colocados como alternativas de candidaturas que possam vir a unir os partidos da Frente Popular.

A explicação do PSB para a iniciativa é a de que o partido vem agindo como aliado leal, dando primazia ao PT no comando do processo sucessório do Recife, mas, a poucos meses da eleição, o que existe é uma insegurança quanto à capacidade do candidato indicado pela executiva nacional do PT, senador Humberto Costa, de unir o seu próprio partido. Os conflitos pessoais e de grupos petistas não parecem ter perspectiva de conclusão no curto prazo. Preterido da condição de candidato à reeleição, o prefeito do Recife, João da Costa, afirmou nesta sexta-feira que a tendência do seu grupo será a de entrar com recurso à direção nacional do partido contra a imposição da candidatura do senador.

“Não existe alinhamento automático do PSB nesta situação”, observou o presidente estadual do PSB e secretário de Articulação Política, Sileno Guedes – uma das alternativas de candidatura, ao lado dos colegas do Desenvolvimento Econômico, Geraldo Júlio, da Educação, Danilo Cabral, e da Casa Civil, Tadeu Alencar.

Sileno não descartou a possibilidade de uma composição em torno do candidato do PT, mas pontuou que o PSB cansou de esperar. Segundo ele, o governador e o partido vêm sendo cobrados por aliados que criticam a exposição pública das brigas pessoais e de grupos internos do PT – o que tornou, até o momento, o único tema da eleição. “Vamos conversar com os aliados e com a sociedade para sabermos o rumo a ser dado”, afirmou o presidente estadual, que na sexta-feira teria uma conversa com o senador Humberto Costa.

A Frente Popular reúne 10 partidos. O processo sucessório do Estado é comandando pelo PSB e o da capital pelo PT, que está há 12 anos à frente da prefeitura. Diante das dificuldades do PT, um grupo de partidos da frente – PTB, PDT, PP, PSC e PV – já vinha pregando uma candidatura alternativa, sob a liderança do senador petebista Armando Monteiro Neto. O PSB se mantinha no aguardo dos petistas.